A Organização Mundial de Saúde (OMS) apelou esta segunda-feira para que não se espere pela vacina da Covid-19 para controlar a pandemia, registando que na Europa há mais novos casos diários que em março, mas menos mortes.

Intervindo numa sessão do comité para a Europa da OMS, o diretor-geral da agência das Nações Unidas, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que “se não se controlarem os contágios, mais pessoas morrerão” e mais aumentará “o risco real” de terem que voltar as medidas mais restritivas nas sociedades.

Até haver vacina para a doença, os países podem “usar as ferramentas existentes” para controlar os contactos, “prevenindo eventos amplificadores” de contágios, como os ajuntamentos de grandes dimensões, e salvaguardando “os mais vulneráveis”.

Quando houver vacina, deve estar acessível a todos os países equitativamente, reiterou, afirmando que “num mundo interligado”, se os cidadãos de países mais pobres forem excluídos da vacinação, “o vírus continuará a matar e a recuperação económica mundial demorará mais”.

Ghebreyesus defendeu ainda que só com sistemas nacionais de saúde robustos se conseguem enfrentar pandemias, considerando que essa é “uma das lições mais dolorosas” da Covid-19.

Considerou que o investimento na saúde pública se pode equiparar às despesas militares para garantir a segurança das nações.