A Fiat Chrysler Automobiles (FCA) arrancou com a primeira fase do projecto-piloto Vehicle-to-Grid (V2G) em Mirafiori, na fábrica que possui nos arredores de Turim. Para começar, o grupo italo-americano tem como objectivo instalar 32 postos de carga duplos, capazes de servir 64 veículos, mas o objectivo é continuar a evoluir até ser capaz de interagir com 700 veículos eléctricos.

A solução V2G oferece a vantagem de permitir que os automóveis eléctricos a bateria possam recarregar a partir da rede eléctrica, com a mesma facilidade com que lhes é possível fornecer energia à rede. A finalidade é transformar o parque de veículos a bateria num gigantesco acumulador sobre rodas, capaz de ajudar a suavizar os picos na necessidade de energia, evitando “apagões” na rede.

É claro que esta solicitação da colaboração dos utilizadores de modelos a bateria só funcionará se for acompanhada por um incentivo financeiro, que consiste em transformar cada condutor num “comercializador” de energia. A proposta consiste em desafiar a que se recarregue a bateria durante a noite, quando a energia é excedentária e mais barata, para depois, durante o dia, a rede eléctrica propor a compra da energia que o condutor não precisa para aqueles períodos em que a indústria necessita de mais potência, pagando o kWh a um preço superior ao que foi vendido durante a noite, o que surge como uma fonte de rendimento adicional.

Paralelamente, um veículo com um sistema eléctrico que aceite o V2G permite ainda fornecer energia a uma casa de férias ou até à residência habitual. Carregar a bateria quando a electricidade é mais barata, para depois fornecê-la quando é mais cara, contribui para reduzir os custos do agregado familiar.

Os postos de carga V2G daquela que será a maior estação do género do mundo terá parte da energia necessária produzida pelos 12.000 painéis solares aplicados sobre os telhados da fábrica de Mirafiori, que são capazes de gerar 6,5 MWh por ano. O veículo equipado com a solução V2G é o novo Fiat 500 eléctrico, que passa a ser um dos poucos modelos no mercado capaz de gerir energia de forma bidireccional.