Obrigado por ser nosso assinante. Não se esqueça de subscrever a nossa Newsletter exclusiva dos bastidores.

De acordo com um procurador norte-americano, a antiga Fiat Chrysler Automobiles (FCA), através do seu responsável pelas relações laborais, Al Iacobelli, terá subornado durante oito anos os delegados sindicais das suas fábricas, pertencentes ao UAW, o poderoso sindicato da indústria automóvel. Durante oito anos, foram mais de 3,5 milhões de dólares (o equivalente a cerca de 3 milhões de euros) que foram pagos em luvas, com o objectivo de obter vantagens nas negociações.

Ficou apurado que Al Iacobelli realizou pagamentos em dinheiro a cinco elementos de topo do UAW e à esposa de um deles, segundo reportou o Detroit Free Press. O juiz Paul Borman puniu a filial norte-americana da FCA com uma multa de 30 milhões de dólares, pela sua participação neste escândalo.

Do julgamento saiu igualmente a obrigatoriedade de a empresa aceitar uma monitorização de todos os acordos durante os próximos três anos, uma vez que os subornos melindraram a confiança nas negociações entre empresa e os representantes dos trabalhadores.

Tendo em conta a gravidade do caso, é de espantar a reduzida severidade da multa, bem como as punições acessórias. De acordo com o juiz, tal ficou a dever-se ao facto de a FCA se ter revelado arrependida e declarado culpada, sobretudo em relação a um crime difícil de provar e cujo julgamento habitualmente se arrasta durante anos e muitos acabam sendo sucessivamente adiados. Não ficou evidente durante o julgamento se os sindicalistas sofreram qualquer tipo de punição.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR