Os vereadores do PSD na Câmara de Sintra acusaram esta terça-feira o presidente da autarquia de fazer uma gestão “ao serviço” dos seus interesses, acrescentando que as medidas mais recentes não deixam dúvidas quanto a uma recandidatura de Basílio Horta.

Num comunicado assinado pelos dois vereadores do PSD que integram a coligação “Juntos pelos Sintrenses” (PSD/CDS-PP/MPT e PPM), Marco Almeida e Andreia Bernardo afirmam que “se dissiparam hoje as dúvidas quanto a uma eventual candidatura do Dr. Basílio Horta à Câmara Municipal de Sintra em 2021”.

Para os social-democratas, prova disso são as medidas anunciadas hoje pelo autarca e que passam pela redução do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) no concelho em três pontos percentuais e o lançamento de um concurso internacional para a construção do novo hospital de Sintra.

“Durante a reunião do executivo municipal de Sintra, realizada esta terça-feira, o atual presidente de Câmara anunciou a redução do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) para 2021, ano das eleições autárquicas, depois de ter recusado as propostas com o mesmo fim, nos últimos três anos, dos vereadores Marco Almeida e Andreia Bernardo”, recorda o comunicado.

O documento acrescenta que, “em sucessivas reuniões de Câmara, os vereadores social-democratas apresentaram propostas para a baixa de impostos municipais, tendo em conta a brutal folga orçamental de que a Câmara dispunha”.

Os dois vereadores apontam ainda que, “curiosamente, ou não, também hoje em reunião de Câmara foi apresentada a proposta para a empreitada do hospital no valor de 40 milhões de euros, mais 10 milhões de euros face ao valor sempre anunciado”, questionando o porquê deste acréscimo e concluindo que “algo está mal nesta história”.

“O Dr. Basílio Horta tem de esclarecer se durante estes últimos três anos prejudicou, ou não, os sintrenses por não ter concretizado a redução dos impostos municipais”, pedem os vereadores.

A Câmara de Sintra aprovou hoje o lançamento de um concurso internacional para a construção do novo hospital, num investimento de 40,4 milhões de euros, cujas obras têm início previsto para 2021.

De acordo com a informação divulgada pela autarquia, as empresas de construção têm agora 111 dias para concorrer a esta obra, cuja construção fica a cargo da Câmara de Sintra, enquanto o Estado assume a aquisição e instalação do equipamento, orçamentadas no valor de 22 milhões de euros.

A proposta para o lançamento do concurso de construção foi aprovada com os votos favoráveis do presidente e vereadores eleitos pelo PS (6 no total), voto favorável do vereador independente Carlos Parreiras (1), voto favorável dos vereadores do PSD (2) e voto contra do vereador da CDU (1).

Durante a reunião do executivo camarário, o presidente da Câmara Municipal de Sintra anunciou ainda a descida do IMI em três pontos percentuais para 2021 e anunciou que foram aprovados o lançamento de empreitadas num investimento global de 51,1 milhões de euros, além da aprovação de apoios sociais na Educação e Desporto e na Solidariedade no valor de 1,9 mil euros.