O líder do PS/Açores, Vasco Cordeiro, acusou esta quinta-feira o presidente do PSD, Rui Rio, de querer fazer “passar os açorianos por tolos”, ao dizer que é necessária alternância política na região, quando os sociais-democratas governam a Madeira há 44 anos.

“Há uma coisa que me dói, que é o presidente do PSD querer fazer passar os açorianos por tolos, quando não o são”, afirmou o líder regional socialista, recordando que na Madeira “há um Governo do PSD há 44 anos”.

Vasco Cordeiro, que efetuava uma visita ao entreposto frigorífico da Horta, integrada na pré-campanha para as eleições legislativas regionais do próximo dia 25, referia-se às declarações de Rui Rio, que poucas horas antes tinha estado no mesmo local, no âmbito de uma deslocação ao arquipélago, e que defendera a necessidade de haver alternância políticas nos Açores.

“É essa a minha função aqui: ajudar o doutor José Manuel Bolieiro [presidente do PSD/Açores] a convencer os açorianos de que vale a pena mudar porque já vai em muitos anos”, afirmou hoje à tarde Rui Rio, referindo-se à governação socialista da região, desde 1996.

“O que eu gostaria é que o dr. Rui Rio também explicasse porque razão é que tomou as atitudes que tomou, em relação aos Açores, por exemplo, nas últimas eleições para o Parlamento Europeu, ou porque razão o PSD na Assembleia da República não apoiou a Lei do Mar, que reforça os poderes da Região Autónoma dos Açores”, questionou o líder socialista.

No entender de Vasco Cordeiro, também presidente do Governo Regional desde 2012, mais grave do que as declarações do líder nacional do PSD, ou os seus atos, é o facto de os dirigentes regionais sociais-democratas continuarem ao lado de Rio, em vez de se demarcarem da sua postura.

“Há uma coisa que me dói mais do que isso. É que haja, nos Açores, quem vá atrás, quem ache bem e até quem aplauda atitudes deste género. É caso para dizer: ao ponto que chegou o PSD/Açores”, lamentou Vasco Cordeiro.

As obras de construção do novo entreposto frigorífico da Horta, que arrancaram no início deste verão, estão orçadas em mais de quatro milhões de euros e devem estar concluídas em setembro de 2021.

As próximas eleições para o parlamento açoriano decorrem em 25 de outubro. Nas anteriores legislativas açorianas, em 2016, o PS venceu com 46,4% dos votos, o que se traduziu em 30 mandatos no parlamento regional, contra 30,89% do segundo partido mais votado, o PSD, com 19 mandatos, e 7,1% do CDS-PP (quatro mandatos). O BE, com 3,6%, obteve dois mandatos, a coligação PCP/PEV, com 2,6%, um, e o PPM, com 0,93% dos votos expressos, também um. O PS governa a região há 24 anos, tendo sido antecedido pelo PSD, que liderou o executivo regional entre 1976 e 1996.