Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

No futuro, as pandemias surgirão com mais frequência, espalhar-se-ão mais rapidamente, causarão mais danos à economia global e matarão mais pessoas do que a Covid-19, a menos que haja uma mudança transformadora na abordagem global para lidar com doenças infecciosas, alerta um novo relatório da Plataforma Intergovernamental de Ciência e Políticas sobre Biodiversidade e Serviços de Ecossistémicos (IPBES).

A maioria (70%) das doenças emergentes (como ébola, zika ou encefalite Nipah) e quase todas as pandemias conhecidas, como gripe e VIH/sida, são zoonóticas, ou seja, são causadas por micróbios de origem animal. Esses micróbios espalham-se pelo contacto entre animais selvagens, animais domésticos e pessoas.

Os especialistas alertam que 1,7 milhões de vírus ainda “não descobertos” vivem em mamíferos e aves, dos quais 850.000 podem infetar humanos.

A pandemia de Covid-19 é, pelo menos, a sexta desde a Grande Pandemia de Gripe de 1918 e, embora tenha a sua origem em micróbios transportados por animais como todas as anteriores, o seu aparecimento foi impulsionado inteiramente por atividades humanas, afirma o estudo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Não há grande mistério sobre a causa da pandemia de Covid-19 ou de qualquer pandemia moderna. As mesmas atividades humanas que impulsionam as mudanças climáticas e a perda de biodiversidade também originam o risco de pandemia por meio dos impactos no ambiente ”, alertou Peter Daszak, presidente da EcoHealth Alliance e presidente do workshop do IPBES do qual surgiu o relatório.

De acordo com Daszak, as mudanças na forma como usamos a terra, a expansão e intensificação da agricultura e o comércio, produção e consumos insustentáveis perturbam a natureza e aumentam o contacto entre a vida selvagem, o gado, os patógenios e as pessoas. “Este é o caminho para as pandemias”, disse ele.

E o risco de pandemias está a aumentar rapidamente, com mais de cinco novas doenças a surgirem nas pessoas a cada ano, qualquer uma das quais com potencial para se espalhar e se tornar uma pandemia, explicam os cientistas.

Mais de vinte especialistas concordam que o risco de ameaças à saúde pública global pode ser significativamente reduzido pela redução das atividades humanas que levam à perda de biodiversidade, por meio de uma maior conservação de áreas protegidas e pela redução da exploração insustentável. Desta forma, o contacto entre animais e entre animais e humanos pode ser reduzido e ajudará a prevenir a propagação de novas doenças.

Para fugir das pandemias temos de focar na prevenção

O relatório indica que as pandemias e outras zoonoses emergentes causam sofrimento humano generalizado e mais de um bilião de dólares em prejuízos económicos anualmente. A isto se soma o fardo contínuo para a saúde humana de outras doenças que surgiram ao longo da história.

Os especialistas dizem que o verdadeiro impacto da Covid-19 na economia global só pode ser avaliado com precisão quando as vacinas forem totalmente implementadas e a transmissão entre as populações for contida. No entanto, o custo foi estimado entre 8 e 16 mil milhões de dólares globalmente em julho de 2020 e pode chegar a 16 mil milhões de dólares apenas nos Estados Unidos no quarto trimestre de 2021 (assumindo que já exista uma vacina eficaz).

O estudo traça estratégias globais para prevenir pandemias, com base na redução do comércio de animais selvagens, mudança do uso da terra e aumento da vigilância, que custaria entre 40 a 50 mil milhões de dólares por ano, muito menos do que custa uma pandemia.

As esmagadoras evidências científicas apontam para uma conclusão muito positiva. Temos uma capacidade cada vez maior de prevenir pandemias, mas a forma como as estamos a tratar agora ignora esta ferramenta. A nossa abordagem estagnou: ainda contamos com tentativas de conter e controlar doenças depois que elas surgem, por meio de vacinas e terapias. Podemos escapar da era das pandemias, mas isso exige um foco muito maior na prevenção e também na reação”, acrescentou Daszak, um dos autores do relatório.

Para o especialista, o facto de a atividade humana ter sido capaz de alterar o ambiente natural de uma forma tão fundamental nem sempre deve ser visto de forma negativa: “Também fornece uma prova convincente do nosso poder de fazer as mudanças necessárias para reduzir o risco de futuras pandemias, enquanto beneficiamos a conservação e reduzimos as mudanças climáticas.”

Artigo completo em Agência Sinc (aqui).