O Hospital de São João, no Porto, chegou ao limite da capacidade de resposta a doentes que precisem da técnica de suporte vital ECMO (Oxigenação por Membrana Extracorporal). Contactado pelo Observador, o coordenador do Centro de Referência de ECMO do São João, Roberto Roncon, confirma que o hospital tem tido “mais referenciações” para esta técnica “do que capacidade de resposta”.

Neste momento, o Hospital tem capacidade para ter 15 doentes em ECMO — atualmente, destes 15, 11 são doentes Covid. Roberto Roncon explica que houve “um número significativo de doentes que foram referenciados de hospitais do Norte do país” e aos quais não conseguiu dar resposta. Quantos? “Cerca de cinco ou seis”. A capacidade de resposta depende não só da disponibilização de equipamentos, mas também do número de vagas Covid.

Entretanto, já depois do contacto do Observador para o responsável do S.João, a agência Lusa confirmou que na sexta-feira o Hospital de S. José recebeu quatro doentes dos hospitais de Penafiel, Pedro Hispano, em Matosinhos, e de Bragança e este sábado recebeu um doente do Hospital de Guimarães.

O centro hospitalar de São João é o único hospital no norte do país com meios para receber doentes que precisem da técnica de suporte vital ECMO. Quando o hospital não consegue dar resposta a solicitações de outros hospitais do norte do país, é sugerido às equipas médicas responsáveis pelos doentes que contactem outros centros com capacidade para receberem os doentes e aplicar a técnica, como o Hospital de Santa Maria e o Hospital de São José, ambos em Lisboa.

Doente crítica do Norte transferida para Lisboa por falta de camas no serviço ECMO do Hospital de São João

“Se estes hospitais tiverem vaga, o doente pode ser transferido para a unidade deles. O contrário também já aconteceu: já fomos buscar doentes a Lisboa, Açores e Coimbra. Não é um procedimento assim tão incomum”, explica Roberto Roncon, exemplificando que, na sexta-feira, foi “resgatado” um doente não Covid do hospital de Penafiel “com uma forma grave de pneumonia”.

Em novembro, o Observador já tinha noticiado que uma doente Covid-19 com menos de 60 anos, que precisava de ECMO, tinha sido transportada para Lisboa por não haver camas suficientes no São João. Na altura, Roberto Roncon disse que a capacidade no hospital “é muito variável”. Em entrevista à Lusa, o responsável também já tinha admitido que seria uma “ilusão” pensar que é possível dar resposta a todas as solicitações. “Dizer que é fácil e que vamos responder a todas as solicitações é contar a história da carochinha. Estamos num contexto pandémico”, defendeu.

Covid-19. Dizer que há recursos para tudo é “mentir e desresponsabilizar as pessoas”

A ECMO é uma técnica de suporte de vida extracorporal utilizada em doentes críticos com falência cardíaca o pulmonar e que, na prática, substitui o coração e os pulmões. Como o Observador escreveu, a técnica, por um lado, ajuda o doente a respirar, reduz o risco de lesão pulmonar, apoia o sistema circulatório e diminui as probabilidades de sequelas cardíacas, mas, por outro lado, pode provocar hemorragias.

Covid-19. Os truques que os médicos de cuidados intensivos aprenderam para salvar mais vidas