15 jogos. Há 15 jogos consecutivos que o FC Porto não perde na Taça de Portugal — desde abril de 2018, nas meias-finais da edição dessa temporada, contra o Sporting em Alvalade. Ou seja, este FC Porto de Sérgio Conceição está apenas a mais um jogo sem perder de igualar o melhor registo de sempre, em 2002, quando os dragões estiveram 16 encontros consecutivos sem ser derrotados na prova rainha do futebol português.

Taremi, o aluno aplicado que ficou em casa a estudar e teve 20 no teste (a crónica do Fabril-FC Porto)

O 15.º jogo sem derrotas apareceu então este sábado, no Barreiro contra o Fabril, com o FC Porto a superar o primeiro obstáculo da defesa do título conquistado na época passada, na final contra o Benfica, em Coimbra. A passagem à quarta eliminatória da Taça carimbou também a sexta temporada seguida em que os dragões seguiram em frente na estreia na competição, sendo também o Sporting a última equipa a ter derrotado o FC Porto logo no primeiro jogo, há seis anos.

Assim, a equipa de Sérgio Conceição prolongou ainda outro registo interessante: há uma década que os dragões não sofrem qualquer golo de equipas do terceiro escalão ou abaixo. O último foi de Pedro Tiba, avançado que está atualmente no Lech Poznan da Polónia e que em 2010 marcou pelo Limianos no Dragão. Contudo, e nos últimos cinco anos, o 0-2 aplicado este domingo ao Fabril foi o resultado mais magro do FC Porto a uma equipa do terceiro escalão ou inferiores. Até aqui e desde 2015, os dragões somaram quatro goleadas e 20 golos marcados contra nenhum sofrido.

Na flash interview e depois de ter feito muitas alterações ao habitual onze inicial, promovendo estreias absolutas e estreias na titularidade, Sérgio Conceição garantiu que estava “satisfeito”. “Tivemos até alguns momentos de brilhantismo mas é impossível tê-lo no jogo todo, porque os adversários também jogam e querem limitar a nossa dinâmica. Foi um jogo positivo dentro do respeito que tínhamos de ter pelo adversário. Eu gosto muito da Taça por isto, por voltar a estes estádios, com ambientes míticos. Faz-nos sempre bem. Fiquei muito contente quando cheguei ao balneário e vi a mensagem de boas-vindas do Fabril. A única coisa negativa hoje foi não ter público e o estádio cheio…”, explicou o treinador dos dragões.

“A resposta dos jogadores? Gostei. Eu não dou nada a ninguém, eles é que merecem os minutos. Todos trabalham de forma muito séria e ficou hoje à vista. O Carraça, por exemplo, fez o primeiro jogo e fez os 90 minutos como se já tivesse muitos jogos nas pernas. A forma como se bateram em campo é a prova de como trabalham diariamente para darem contributo à equipa e para me complicarem a vida. Tenho soluções interessantes”, concluiu Conceição, que viu o FC Porto chegar este domingo à terceira vitória consecutiva, algo que ainda não tinha acontecido desde o início da temporada.

Depois do apito final, também Toni Martínez, que se estreou a marcar pela nova equipa com um enorme golo, garantiu estar “muito contente”. “Foi um grande trabalho do Otávio. Treinamos o movimento e o que se treina sai no jogo. Fico muito contente por ter marcado o meu primeiro golo com a camisola do FC Porto. Felizmente foi um grande golo e oxalá que com o tempo venham mais”, disse o espanhol ex-Famalicão, que ressalvou que este não foi “um jogo fácil” mas que a equipa trabalhou “para conseguir a vitória”. “Sou paciente, sei onde estou e o trabalho que tive para chegar ate aqui. Estou a aprender muito com os colegas e com o meu treinador”, sublinhou ainda, sobre a adaptação ao FC Porto, depois de ter sido o eleito por Sérgio Conceição para falar na habitual ronda do plantel no final da partida.

Com esta vitória, o FC Porto passou à quarta eliminatória da Taça de Portugal e juntou-se assim a Gil Vicente, Amora, União de Leiria, Leixões, Famalicão e Académico de Viseu, todas as outras equipas que também já tinham assegurado o apuramento.