A Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) contabilizou esta sexta-feira 165 casos ativos de Covid-19 entre reclusos (85), trabalhadores do quadro (70) e trabalhadores de empresas externas de serviços ligados à instituição (10).

Segundo adianta uma nota da DGRSP, no universo de 11.315 reclusos há a registar 405 casos clinicamente recuperados, enquanto o conjunto de trabalhadores clinicamente recuperados ascende a 184. Quanto aos jovens internados em Centros Educativos não há casos ativos a assinalar, continuando a ser de quatro o número de casos clinicamente recuperados.

A DGRSP, que abrange um universo de cerca de 20 mil pessoas, precisa que no Estabelecimento Prisional de Lisboa (EPL) foi concedida alta clínica a 86 dos 93 reclusos e a seis dos sete trabalhadores com teste positivo ao novo coronavírus.

De momento, há sete reclusos e um trabalhador a aguardar os resultados da avaliação destinada à obtenção de alta clínica, considerado a DGRSP que “está retomada a normalidade” nesta cadeia.

Em relação ao Estabelecimento Prisional de Tires (EPT), a DGRSP indica que tiveram alta clínica 124 das 127 reclusas, restando agora três reclusas que aguardam nova avaliação para alta clínica, o que permite dizer que está “normalizada a vida naquele estabelecimento prisional feminino.

Por outro lado, no Estabelecimento Prisional de Faro — de acordo com a DGRSP — foi já dada alta clínica a 53 dos 62 reclusos e tiveram igualmente alta os quatro trabalhadores que haviam tido resultados positivos.

Atualmente, acrescenta os serviços prisionais, “há somente nove reclusos deste estabelecimento prisional a aguardar por nova avaliação tendo em vista a obtenção de alta clínica”.

No tocante aos Estabelecimentos Prisionais de Izeda (Bragança) e de Guimarães, os dados mantêm-se inalterados, com a DGRSP a avançar que o estado de saúde destas pessoas permite prever que a avaliação clínica da próxima semana poderá vir a findar as situações registadas nestas prisões.

No que concerne ao Estabelecimento Prisional de Santa Cruz do Bispo (feminino), e na sequência de testes efetuados na semana de 23 a 27 de novembro, a DGRSP apurou que há quatro reclusas (trabalhadoras oficinais que faziam uso obrigatório de máscaras) que apresentaram resultados positivos ao novo coronavírus.

Em conformidade com o plano de contingência em vigor, e em articulação com a saúde publica, foram testadas todas as reclusas e todos os trabalhadores deste estabelecimento prisional”, garante a DGRSP, entidade tutelada pelo Ministério da Justiça.

Os resultados finais da testagem fixa, até ao momento, indicaram 16 reclusas e cinco trabalhadores com resultado positivo no Estabelecimento Prisional de Santa Cruz do Bispo (feminino).

“As reclusas, embora assintomáticas, estão internadas no espaço especificamente destinado a receber casos covid-19 que se encontrava criado nos serviços clínicos deste estabelecimento prisional”, acentua a DGRSP.

Por último, a DGRSP reitera que, em articulação com a saúde publica, continuará a desenvolver o trabalho de prevenção e de acompanhamento clínico que permitiu a resolução favorável dos casos registados nas cadeias de Tires, de Lisboa e de Faro.