Os governos de Israel e Marrocos chegaram esta quinta-feira a um acordo com vista a estabelecerem relações diplomáticas pela primeira vez, depois de uma negociação mediada pelos Estados Unidos. Segundo a Reuters, o acordo foi confirmado nesta quinta-feira durante uma conversa telefónica entre o Presidente norte-americano, Donald Trump, e o Rei de Marrocos, Mohammed VI.

Marrocos é assim o quarto país árabe a aproximar-se de Israel este ano devido aos esforços diplomáticos norte-americanos, depois dos Emirados Árabes Unidos, do Bahrain e do Sudão.

Um dos fatores-chave no acordo com Marrocos foi a promessa de Donald Trump de que os Estados Unidos vão reconhecer a soberania marroquina sobre o Saara Ocidental — território no sul de Marrocos cuja jurisdição é atualmente disputada entre o reino marroquino e a Frente Polisário, apoiada pela Argélia.

Como Trump juntou os Emirados Árabes Unidos e Israel. E deixou o Irão ainda mais encurralado

Marrocos e Israel vão assim estabelecer relações diplomáticas, após décadas de costas voltadas. O acordo prevê o início de voos comerciais diretos entre Telavive e Rabat, bem como a reabertura das representações diplomáticas respetivas nas capitais. Mais tarde, essas representações deverão ser elevadas ao estatuto de embaixadas de pleno direito.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Hoje, a administração alcançou mais um marco histórico. O Presidente Trump mediou um acordo de paz entre Marrocos e Israel — o quarto acordo do género entre Israel e uma nação árabe/muçulmana em quatro meses”, disse Jared Kushner, conselheiro e genro de Trump, à Reuters.

Classificando o acordo como “histórico”, Kushner salientou que a reaproximação vai ser benéfica para a comunidade judaica de Marrocos e para a segurança de Israel, “ao mesmo tempo que cria oportunidades para Marrocos e Israel aprofundarem os seus laços económicos e melhorarem as vidas dos seus povos”.

A agência cita também um comunicado da Casa Branca, que dá conta de que Trump “reafirmou o seu apoio à proposta de autonomia séria, credível e realista apresentada por Marrocos como a única base para uma solução justa e duradoura para a disputa sobre o território do Saara Ocidental”. É esse motivo, argumenta Washington, que levou Trump a reconhecer a autonomia completa de Marrocos sobre aquele território.

Este deverá ser um dos últimos acordos diplomáticos de relevo firmados pela administração Trump, uma vez que a tomada de posse de Joe Biden como Presidente dos EUA está agendada para o dia 20 de janeiro. Biden já afirmou que pretende continuar os esforços diplomáticos de aproximação entre Israel e os países árabes, que têm contribuído para deixar o Irão mais isolado e com menos influência na região.