Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os 16 caçadores que mataram 540 animais na montaria que aconteceu no passado fim de semana na Quinta da Torre Bela, na Azambuja, terão pagado entre sete e oito mil euros para participarem no evento, avança esta terça-feira fonte do setor da caça ao JN.

Jacinto Amaro, da Federação Portuguesa de Caça, descreveu o sucedido à Rádio Observador como um “processo de esperteza saloia”, em que o proprietário quis eliminar os animais da propriedade, ganhando muito dinheiro com o processo.

O caso tem sido arrasado por várias entidades. O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) considera que houve “fortes indícios de prática de crime contra a preservação da fauna durante uma montaria realizada a 17 e 18 de dezembro, na qual terão participado 16 caçadores”, sendo que vai, por isso, apresentar queixa ao Ministério Público (MP). O ICNF já suspendeu inclusive, com efeitos imediatos, a licença da Zona de Caça Turística de Torrebela (nº 2491-ICNF).

O Ministério do Ambiente veio também criticar o ato “ignóbil e vil”, principalmente a “gabarolice dos próprios caçadores”, que postaram nas redes sociais fotografias dos animais juntamente com a descrição “super recorde”.  O ministro chegou mesmo a caracterizar o caso como um “crime ambiental”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ministro do Ambiente critica “gabarolice” dos caçadores que mataram 540 animais em “ato vil e inaceitável”

Os próprios caçadores também não se reveem no que aconteceu na Quinta da Torre Bela: “Caça não é isto! Os caçadores não se reveem e repudiam este episódio!”, defendem várias associações ligadas à caça num comunicado conjunto.

Montaria: queixa no Ministério Público e revogação da licença de caça

No total, os 16 caçadores mataram 540 animais na Quinta da Torre Bela. O abate dos animais ocorreu numa quinta 1.000 hectares vedados com muros, tendo os animais ficados encurralados na propriedade.