Foi a nona vez esta temporada que o Benfica sofreu dois ou mais golos num jogo. Foi a quarta vez esta temporada que o Benfica perdeu. Foi a quarta vez consecutiva que o Benfica perdeu com o FC Porto. E foi a primeira vez, desde que deixou o Brasil e voltou a Portugal, que Jorge Jesus falhou a conquista de um título com o Benfica.

Grimaldo admitiu “falta de personalidade”, Jesus falou em “eficácia, consistência e experiência” para explicar derrota na Supertaça

Em resumo, pouco ou nada correu bem aos encarnados nesta quarta-feira. Sem Pizzi, que testou positivo para a Covid-19 e deixou a equipa desde logo desprovida do capitão e de um dos jogadores mais influentes, o Benfica foi sempre inferior ao FC Porto, foi sempre mais displicente do que o FC Porto, foi sempre menos pragmático do que o FC Porto. Ficou tudo praticamente dito na flash interview de Grimaldo — que foi o autor dos únicos dois remates enquadrados da equipa e ainda acertou no poste com um livre quase perfeito –, quando o lateral espanhol reconheceu a “falta de personalidade” do grupo. Ficou tudo praticamente dito quando Luisão não escondeu o desagrado ao falar com os jogadores no relvado. Mas Jorge Jesus, tanto na flash como na conferência de imprensa, optou por esvaziar o que estava praticamente dito.

O treinador do Benfica defendeu que a Supertaça não era uma “prioridade”, lembrou que ainda anda “à procura” do melhor caminho para a equipa e não esqueceu a importância do mercado de inverno. Reconheceu a ausência de eficácia — mas pouco mais. Os encarnados estão nesta altura no segundo lugar da Liga, perderam o primeiro troféu da temporada e falharam a qualificação para a Liga dos Campeões. Acima de tudo isso, têm demonstrado uma dificuldade acima da média na hora de começar a ganhar jogos: arrancam quase a perder, já venceram várias vezes em formato reviravolta e têm sido normalmente traídos por entradas adormecidas em campo.

Certo é que, independentemente de Jorge Jesus e já desde o comando de Bruno Lage, o Benfica somou o quarto Clássico consecutivo a perder com o FC Porto, algo que não acontecia desde 2003, que só tinha acontecido outras três vezes na história e que se estende desde os dois jogos do Campeonato da época passada e a final da Taça de Portugal, no início de agosto. Mais: se a 15 de janeiro, no Dragão, o FC Porto vencer o primeiro encontro entre as duas equipas na Primeira Liga 2020/21, o grupo de Sérgio Conceição vai mesmo tornar-se o primeiro de sempre a ganhar cinco Clássicos seguidos.