O coordenador do Sporting Olympics, o Gabinete Olímpico do clube, apresentou esta segunda-feira a demissão do cargo, cerca de um ano depois de ter assumido funções. A notícia é avançada pelo jornal A Bola, que adianta que a decisão de Paulo Malico de Sousa está relacionada com o desinvestimento do clube nas modalidades em ano de Jogos Olímpicos e com o recente afastamento de vários atletas com medalhas olímpicas.

Para além de Nélson Évora, que saiu do Sporting no final do mês de outubro e entretanto reforçou o triplo salto do Barcelona, tornou-se público nos últimos dias o fim da canoagem no clube, com a rescisão dos contratos de atletas como Emanuel Silva, medalhado olímpico que em Tóquio vai participar na quinta edição dos Jogos, David Varela, já apurado para o Japão, Norberto Mourão, apurado na vertente paralímpica, e Francisca Laia, que provavelmente também vai conseguir a qualificação. Os atletas foram informados que estavam livres do vínculo através de carta e sem uma conversa individual com cada um.

Sem mínimos e sem contrato: Sporting dispensa Nelson Évora e João Costa mas mantém aposta no Projeto Olímpico

O desinvestimento do Sporting na modalidade já era anunciado mas acabou por acontecer antes do que seria expectável, em pleno ano de Jogos Olímpicos e antes de alguns atletas disputarem as respetivas qualificações para Tóquio. À partida, existe a possibilidade de o Sp. Braga assumir o projeto olímpico da canoagem que pertencia aos leões — ainda que o clube defenda que só avançará nessa direção se existir sustentabilidade. “A canoagem não é prioridade neste momento para o Sporting Clube de Braga. Neste tempo, devido à pandemia, há muitas incertezas e por isso as nossas prioridades são manter com as melhores condições que podemos as modalidades onde o Sporting Clube de Braga já tem tradição”, explicou Joel Pereira, diretor dos minhotos para as modalidades ditas amadoras, ao Correio do Minho.

[Ouça aqui a entrevista completa de Vítor Félix, presidente da Federação Portuguesa de Canoagem, à Rádio Observador:]

“Temos objetivo de duas medalhas em Tóquio”

Esta segunda-feira, em entrevista ao programa “Nem Tudo o Que Vai à Rede é Bola” da Rádio Observador, o presidente da Federação Portuguesa de Canoagem abordou o assunto e confirmou que estava a acompanhar o processo há algum tempo. “Não foi uma novidade para mim o facto de o Sporting encerrar o projeto olímpico na modalidade. Fui acompanhando desde que romperam o vínculo com o Norberto Mourão, depois mais tarde com o David Varela, em agosto. Fui sempre acompanhando com alguma preocupação, nomeadamente com o Emanuel Silva, que tem sido o rosto e o líder, enquanto atleta, deste projeto. Sabia que era uma possibilidade que estava em aberto, existia uma ténue esperança de que o projeto podia continuar mas não aconteceu, infelizmente. Claro que vejo com alguma preocupação, porque a marca Sporting, a marca desses grandes clubes, acaba por dar algum conforto naquilo que é a preparação dos nossos atletas”, disse Vítor Félix, realçando depois o projeto do Benfica, que conta com Fernando Pimenta.