O verão de 2016 foi particularmente agitado na “guerra” entre Sporting e Benfica mas virada para as modalidades, depois do desvio do treinador Jorge Jesus de um lado para o outro da Segunda Circular. E os leões tinham dois grandes objetivos no arranque do ciclo olímpico: Nelson Évora e Telma Monteiro. O especialista do triplo salto, ao sentir que os encarnados não tinham manifestado grande interesse na continuidade, aceitou uma proposta mais alta do conjunto de Alvalade e aceitou, a judoca recebeu a oferta mas não quis sair da Luz, onde já estava há largos anos. Quatro anos depois, o saltador deixa o conjunto verde e branco… antes dos Jogos de Tóquio.

Na antecâmara do fecho do mercado de transferências do atletismo, Sporting e Benfica estão a fazer vários acertos nos seus plantéis tendo em vista a temporada de 2021. Os orçamentos vão diminuir, as apostas adequam-se aos planos que cada clube tem no plano coletivo: os encarnados continuarão com o foco na equipa masculina de pista e de corta-mato, confirmando a hegemonia dos últimos anos, os verde e brancos mantêm como meta as vitórias da equipa feminina de pista de corta-mato à semelhança do que tem acontecido na última década. A surpresa acabou por ser a saída de Évora, num contexto de Projeto Olímpico quando Tóquio está a menos de um ano. 

O tema foi tratado curiosamente entre dois dos quatro campeões olímpicos nacionais: de um lado Carlos Lopes, medalha de ouro na maratona de 1984 em Los Angeles e atual homem forte da modalidade no clube, e Nelson Évora, campeão olímpico de 2008 em Pequim. Em causa esteve também o vencimento do atleta, que nesta fase não tem ainda mínimos assegurados para os Jogos de Tóquio e que, no plano nacional, foi ultrapassado nos últimos anos por Pedro Pablo Pichardo, luso-cubano que ocupou a vaga do saltador no Benfica. Enquanto esteve em Alvalade, além dos contributos nos Nacionais ao Ar Livre e em Pista Coberta, Évora, de 36 anos, ganhou quatro grandes títulos: ouro nos Europeus de Berlim em 2018, prata nos Europeus de Pista Coberta de Glasgow em 2019 e bronze nos Mundiais de Londres em 2017 e nos Mundiais de Pista Coberta de Birmingham em 2018.

Segundo informações recolhidas pelo Observador, João Costa, atleta do tiro que marcou presença nas últimas edições dos Jogos Olímpicos (ganhou o diploma pelo sétimo lugar em 2000 e em 2012, além de ter feito dois 11.º lugares em 2016) e que ganhou várias medalhas em Taças do Mundo, também está de saída do Sporting.

De resto, todos os outros atletas que fazem parte do projeto olímpico Tóquio-2020 vão continuar e com contratos renovados até aos Jogos de 2021, incluindo Emanuel Silva e os restantes elementos da equipa masculina de canoagem. A partir daí, e até 2022, o clube fará como é habitual em ano de renovação olímpica uma análise para projetar um novo ciclo tendo em vista os Jogos Olímpicos seguintes, em 2014, na cidade de Paris.