Não é a passadeira vermelha dos Óscares, mas espera-se que, no dia em que um novo presidente dos Estados Unidos toma posse, a escolha da indumentária seja irrepreensível e, se possível, com uma mensagem nas entrelinhas, neste caso, nas costuras.

Neste campeonato, a nova primeira-dama deixou a tarefa nas mãos de Kamala Harris, ela que há pouco mais de uma semana protagonizava a capa da Vogue e dava que falar, mas não pelos melhores motivos. Para a vice-presidente recém-empossada, a moda é um terreno bem mais familiar do que para Jill, cuja visual clássico e seguro já era de prever. Mas Harris fez da sua passagem pela cerimónia desta quarta-feira um statement político e social ao escolher um designer negro para criar o vestido e casaco, ambos em roxo, com que se tornou a primeira mulher a ocupar a vice-presidência dos Estados Unidos.

Kamala Harris, um manifesto antirracista

Mas antes do peso da autoria, a cor. Aqui, as interpretações são múltiplas e a primeira prende-se com o facto do tom em questão ser o resultado da mistura de vermelho (republicanos) e azul (democratas). A união de uma nação bipartidária numa cor que também foi escolhida por Hillary Clinton na mesma cerimónia. Mas o roxo é também uma das três cores da bandeira do movimento sufragista do início do século XX, uma representação do “sangue real que corre nas veias de cada sufragista, do instinto de liberdade e dignidade”, segundo legitimava o próprio movimento.

TOPSHOT-US-POLITICS-INAUGURATION

Kamala Harris e Jill Biden no centro da imagem © AFP via Getty Images

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

De volta ao criador, a escolha de Kamala Harris foi uma nova seta a apontar na direção de uma América unida na diversidade. O nome em questão é Christopher John Rogers, um designer de 27 anos, natural de Baton Rouge, no Louisiana, mas que fundou a sua própria marca em Brooklyn. Na história do criador ficará para sempre a mensagem de Instagram que recebeu do stylist de Michelle Obama, em 2019, pedindo-lhe que desenhasse um visual para a sua digressão de promoção do livro Becoming. “É com o sentimento de honra e humildade que desempenhámos este pequeno papel neste momento histórico”, descreveu o criador na sua conta de Instagram, esta quarta-feira.

Joe Biden já é presidente dos Estados Unidos: “Há muito para reparar, para restaurar, para curar e para ganhar”

O look roxo de Harris chegou um dia depois de ter escolhido uma criação Pyer Moss, do designer Kerby Jean Raymond, para homenagear as vítimas da Covid-19, já em Washington. Mais do que um criador de moda, Raymond tem advogado a causa antirracista nos Estados Unidos, chamando a atenção para crimes raciais muito antes do movimento Black Lives Matter.

Jill Biden e a aposta nos jovens criadores

O combo de vestido e casaco usado por Jill Biden não provocou sobressaltos. Esperava-se, desde o primeiro momento, que a nova primeira-dama dos Estados Unidos deixasse o fator surpresa para o nome que a vestiria no grande dia e não tanto para o rasgo do modelo em si. A suspeita verificou-se. A escolha recaiu sobre Alexandra O’Neill, uma jovem designer sediada em Nova Iorque que, em 2017, criou a sua própria marca, a Markarian. É de ressalvar que, já na cerimónia da véspera, Jill havia usado uma criação de Jonathan Cohen, outro jovem criador norte-americano.

Esboço do casaco e vestido desenhados por Alexandra O’Neill para Jill Biden

Do esboço para a escadaria do Capitólio, o look foi pintado num tom que a Vanity Fair chamou de “azul oceano”. Ambas as peças feitas em tweet, com detalhes num tom mais escuro nas lapelas, punhos e acabamento dos bolsos e ainda com um leve efeito transparente na parte superior do decote do vestido. E claro, luvas e máscara a combinar.

A neta de Biden e a enteada de Harris. Quem brilhou entre os convidados?

Entre cornetadas e acordes diversos, a cerimónia foi antecedida de um compasso de espera ao longo do qual se anunciaram os diferentes convidados. À voz do speaker, viravam as cabeças — Bill e Hillary Clinton (ela vestida por Ralph Lauren, tal como Joe Biden) George e Laura W. Bush (na amostra em questão, a mais irrelevante das ex-primeiras-damas no que toca ao estilo) e Barack e Michelle Obama (distintamente vestida por outro designer afro-americano, Sergio Hudson).

Joe Biden Sworn In As 46th President Of The United States At U.S. Capitol Inauguration Ceremony

Barack e Michelle Obama © Win McNamee/Getty Images

Outras houve, menos dignas de anúncios solenes, que surpreenderam pelas escolhas de guarda-roupa. Vestidas num único tom, as netas de Biden causaram uma boa impressão, embora tenha sido Natalie, de 16 anos, a que mais deu nas vistas, vestida de cor de rosa, da cabeça aos pés. Juntas, as quatro formaram uma espécie de esquadrão sofisticado, cuja principal missão parece ter sido mesmo abrilhantar a cerimónia. As restantes, com idades entre os 20 e os 27 anos, vestiram-se de branco, camel e preto. Não havia como falhar.

Do lado de Kamala também houve uma representação familiar à altura. Ella Emhoff, a enteada de 22 anos de Harris, ganhou espaço na imprensa, minutos após a sua chegada ao palanque do Capitólio. O casaco Miu Miu, em xadrez clássico mas subtilmente adornado com pedraria sobre os ombros, encheu as medidas aos olheiros de serviço.

US-POLITICS-INAUGURATION

A poetisa Amanda Gorman © PATRICK SEMANSKY/POOL/AFP via Getty Images

Quem também merece uma menção é Amanda Gorman, a poetisa e ativista de 23 anos que discursou e deslumbrou com o seu dom da palavra, mas também com uma imagem fresca e um carisma natural. O casaco amarelo e a bandolete vermelha carregaram o minimalismo Prada até Washington. Os brincos, duas argolas douradas, foram oferecidas pela própria Oprah em especial para a ocasião.

Lady Gaga e JLo, o desfile das divas

Não há melhor maneira de levar o brilho do entretenimento para um evento político do que ter duas divas como convidadas musicais. A primeira a subir ao palco foi Lady Gaga, a quem coube cantar o hino dos Estados Unidos. E a escolha do visual teria justificado uma simples aparição silenciosa.

Esboço de Daniel Roseberry

A saia de cauda e o casaco justo ao corpo — criações de Daniel Roseberry para a histórica Schiaparelli — encheram o palco. Sobre o azul e o vermelho, dispôs uma pregadeira dourada — uma pomba com um ramo de oliveira. “Este conjunto é uma carta de amor ao país do qual tenho tantas saudades e à artista que há tanto tempo admiro”, escreveu Roseberry na sua conta de Instagram.

Minutos depois, foi Jennifer Lopez a entrar em cena. Vestida de branco, num look inteiramente Chanel, juntou num medley os temas “This Land is Your Land” e “America the Beautiful”. No final, entoou um dos versos em espanhol, mais uma pista sobre os valores bandeira da governação que começa esta quarta-feira.

Donald Trump Returns To Florida Ahead Of Joe Biden's Inauguration

Melania e Donald Trump a desembarcar na Florida © Noam Galai/Getty Images

No meio de vedetas e ícones de moda emergentes, houve apenas uma estrela que brilhou longe do palanque montado no Capitólio. Melania Trump deixou Washington vestida de preto — vestido Dolce & Gabbana, casaco Chanel e sapatos Christian Louboutin (em suma, vestida para arrasar) e aterrou, horas depois, na Florida, com um vibrante vestido Gucci. A moda jogada como último trunfo, bem sucedida o suficiente para desviar, por breves instantes, as atenções do novo casal presidencial.

Na fotogaleria, veja as imagens dos looks que marcaram a tomada de posse de Joe Biden.