A ministra da Agricultura Maria do Céu Antunes defendeu esta quarta-feira a necessidade de “alterações de comportamento” gerais para combater o desperdício alimentar, no âmbito da 9.ª edição do Prémio Agricultura 2020.

“[A redução do desperdício alimentar] implica de todos um esforço muito grande, porque nós precisamos de ter sistemas alimentares cada vez mais justos e mais sustentáveis”, defendeu a ministra numa intervenção no painel de discussão “Combater o desperdício alimentar em Portugal”.

Para a ministra da Agricultura, “tem de haver um planeamento muito grande para haver um ajustamento entre a oferta e a procura, fazer uma adaptação entre aquilo que é produzido e aquilo que são os gostos dos consumidores. Toda esta alteração da forma de encarar a alimentação tem de ser tida em conta”.

O desperdício alimentar começa na produção e vai até ao consumo, situação que a presidente da Federação dos Bancos Alimentares Contra a Fome, Isabel Jonet, considerou um “absurdo económico” que pode ser combatido através da educação, e consequentemente do “consumo responsável”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Temos de ensinar os jovens e as crianças que os recursos são escassos e é um absurdo desperdiçá-los. Pequenos toques na legislação, benefícios fiscais para as empresas e incentivos aos agricultores e ações nas escolas vão permitir que todos juntos consigamos reduzir o desperdício alimentar”, afirmou. A ministra da agricultura corroborou desta visão defendendo que o consumidor tem de ter “consciência do seu papel e estar informado”, de modo a ajudar no combate ao desperdício alimentar.

As Nações Unidas colocaram como desafio mundial reduzir para metade o desperdício de alimentos, de retalho e do consumidor até 2030. A 9ª edição do Prémio Agricultura 2020, iniciativa do BPI e Cofina que visa premiar e incentivar os casos de sucesso da Agricultura e Agro-indústria, Florestas e Pecuária, recebeu no total 920 candidaturas.