Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O sector automóvel mantém-se como um dos mais penalizados pela ‘crise do coronavírus’, como o confirmam os mais recentes dados publicados pela Associação Automóvel de Portugal (ACAP). As últimas estatísticas de vendas revelam que o mercado automóvel, no seu conjunto (ligeiros de passageiros, ligeiros de mercadorias e veículos pesados), acusou uma retracção de 53,6% no passado mês, comparativamente a igual período do ano anterior. A maior quebra é sentida nos ligeiros de passageiros, onde as matrículas caíram para apenas 8311 unidades, o que traduz vendas 59% abaixo do que se registou em Fevereiro de 2020.

Os ligeiros de mercadorias, por sua vez, transaccionaram 2041 unidades, o que equivale a menos 17,8% do que em Fevereiro do ano passado. Quanto aos veículos pesados, foram os únicos a ver a procura a aumentar, com a comercialização de 347 unidades (uma subida de 19,2% face ao período homólogo do ano anterior).

Em termos de marcas, a Peugeot foi a líder destacada em Fevereiro (1581 unidades), à frente da Mercedes (853) e da BMW (564). Isso confere à marca francesa um resultado nunca antes alcançado no mercado português, com uma quota de 19%, embora as vendas tenham diminuído 34,8% face a Fevereiro de 2020.

Considerando os dois primeiros meses de 2021, o refreamento da procura é transversal aos diferentes tipos de veículos automóveis, mas os ligeiros de passageiros são os que mais se ressentem da situação que o país atravessa – os stands estão fechados e as vendas online continuam a não ser o instrumento preferido dos consumidores para a aquisição de um bem tão oneroso como um carro. Daí que o total de matrículas de veículos ligeiros de passageiros em Janeiro e Fevereiro tenha baixado para 18.340 unidades, o que constitui uma variação negativa de 47,1% relativamente a igual período de 2020 (-43,5% incluindo os ligeiros de mercadorias). O sector dos pesados é o menos fustigado, ainda segundo a ACAP, o que não o impede de também ele registar uma queda de 5,8% no acumulado dos primeiros dois meses do ano.

Entre Janeiro e Fevereiro, foram vendidos 23.211 novos veículos (ligeiros e pesados), o que significa que a diminuição das matrículas foi na ordem dos 43%, comparando com igual período de 2020.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR