Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Nico Rosberg, o piloto que abandonou a F1 depois de se tornar campeão do mundo em 2016, continua a ser um condutor brilhante e com profunda paixão por automóveis, especialmente hiperdesportivos que lhe possam devolver parte das emoções que sentia quando pilotava o F1 da Mercedes com cerca de 1000 cv, em modo de qualificação. Desta vez e para o seu canal de YoutTube, Rosberg ensaiou um coupé com quatro motores e mais 50% da potência do seu antigo F1.

A possibilidade de o antigo ás de F1 conduzir o Koenigsegg Regera, modelo hiperdesportivo do construtor sueco de que apenas foram fabricadas 80 unidades, surgiu no Mónaco, uma ideia que certamente agradou a Nico, ou não habitasse ele no principado, bem como uma fatia representativa dos clientes dos carros concebidos e produzidos por Christian von Koenigsegg. Apesar de serem pouco conhecidos pelo grande público, os coupés suecos são muito desejados por quem busca modelos com mais de um milhar de cavalos e muita sofisticação tecnológica, sectores em que a Koenigsegg teima em ‘envergonhar’ a concorrência, mesmo os construtores mais reputados.

O Regera, termo que significa “reinar” em sueco, nasceu efectivamente para reinar entre os superdesportivos. Ou, pelo menos, para fazer a vida num inferno a quem desejar disputar a coroa. Entre os seus muitos trunfos, entre os quais já nem incluímos o chassi integralmente em fibra de carbono ou a carroçaria construída no mesmo material, figura um motor 5.0 V8 biturbo, capaz de fornecer 1115 cv, valor que já de si impressiona qualquer um. Mas para o Regera é apenas o pontapé de saída.

Ao motor principal de combustão, a Koenigsegg aliou um motor eléctrico com 218 cv, cujo papel é reforçar a potência do V8, gerar energia e fazer de motor de arranque. A estes dois motores, o Regera junta mais duas unidades eléctricas, qualquer uma delas com 245 cv, ligadas a cada uma das rodas traseiras. Estes motores actuam o sistema de torque vectoring, para fazer maravilhas ao comportamento do carro, estabilizando-o mesmo quando o condutor abusa, além de assegurarem a locomoção do coupé sueco em modo eléctrico, em que consegue percorrer 50 km, o que nos parece algo optimista uma vez que a bateria, desenvolvida pela Rimac, possui uma capacidade de somente 9,27 kWh.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Tudo somado, o Regera pesa 1628 kg e anuncia 1110 kW, o que equivale a 1509 cv, com os quais este Koenigsegg consegue atingir 410 km/h e os 100 km/h em apenas 2,8 segundos. Parte do segredo para a sua eficácia provém de outro “truque” do Regera: a ausência de caixa de velocidades. Na realidade, o construtor nórdico apelida a sua transmissão de apenas uma mudança de Koenigsegg Direct Drive, garantindo que  ela consegue reduzir as perdas por fricção face às caixas convencionais, que geram aquecimento, em 50%.

Nico Rosberg conduziu o Regera através das ruas do Mónaco e pelas retorcidas estradas que circundam o principado, como pode ver aqui: