Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A revelação ao público do novo Bugatti Bolide, o modelo extremamente agressivo e concebido exclusivamente para uso em pista pela marca francesa, decorreu no Milano Monza Motor Show, onde os visitantes puderam apreciar em pormenor uma evolução do Chiron que pouco ou nada tem a ver com o modelo original. Sobretudo, por não estar limitado pelas imposições devidas à circulação na via pública.

Além de se deliciarem com o aspecto baixo e largo do Bolide, cuja carroçaria foi concebida para gerar o máximo apoio aerodinâmico em circuito, os visitantes do certame tiveram a possibilidade de ouvir o “cantar” do imponente motor 8.0 W16, soprado por quatro turbocompressores. Sem as limitações do nível de ruído, ou do tratamento de gases de escape, específicas para os carros de série, o Bolide vê a sua potência subir dos 1600 cv, valor que as versões mais possantes do Chiron de estrada conseguem atingir, para uns impressionantes 1824 cv.

É claro que a ausência de panelas de escape e de filtros de partículas tornam o motor W16 do Bolide muito mais audível. Durante as manobras de subida e descida do palanque de exposição, o Bugatti movimentou-se pelos seus próprios meios, com um dos técnicos da marca ao volante. Mesmo ao ralenti, o roncar do motor impressiona, sem que se perceba se é mais marcante a potência absurda ou a força incrível que debita, espelhada nos 1850 Nm de binário que anuncia.

Se tivermos em conta que o Bolide pesa apenas 1240 kg, longe dos 2070 kg de um Chiron normal, é fácil perceber a facilidade com que reivindica passar a barreira dos 100 km/h ao fim de apenas 2,17 segundos, para os 200 km/h ficarem para trás após 4,36 segundos e os 300 km/h em 7,37 segundos. Se ainda não está impressionado, é bom que saiba que os 0-400 km/h são devorados em 12,08 segundos e os 0-500 km/h em 20,16 segundos, com a Bugatti a estimar que o Bolide consegue percorrer uma volta ao Nürburgring em 5.23 minutos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR