Enviado especial do Observador, em Tóquio

No Estádio Olímpico, Patrícia Mamona acabara de receber uns minutos antes a medalha de prata da final do triplo salto, onde perdeu apenas para a nova recordista mundial Yulimar Rojas. No Sea Forest Waterway, onde foram realizadas no início dos Jogos as provas de remo, Fernando Pimenta dava início ao caminho para chegar também a um pódio que fugiu no Rio de Janeiro mas que está ao alcance em Tóquio. E começou bem a missão de procurar uma nova medalha, com a qualificação direita para as meias-finais que se realizam esta terça-feira.

No Sea Forest Waterway, que recebeu também no início dos Jogos o remo, o canoísta nacional, que leva mais de 100 medalhas em grandes competições internacionais e que é um dos elementos apontados às medalhas nesta distância, acabou a terceira eliminatória no primeiro lugar com o tempo de 3.40,323, numa prova onde já estava na frente e com vantagem nas passagens pelos 250 e 500 metros, gerindo depois esse avanço conseguido.

Além do atleta do Benfica, também o eslovaco Peter Gelle conseguiu o apuramento direto, acabando na segunda posição com 3.42,141. Josef Dostal (Rep. Checa, 3.37,342), Thomas Green (Austrália, 3.39,442), Balint Kopasz (Hungria, 3.39,084), Agustin Vernice (Argentina, 3.40,430), Aleh Yurenia (Bielorrússia, 3.43,444) e Bojan Zdelar (Sérvia, 3.45,074) também asseguram passagem às meias, que se realizam amanhã de manhã.

Fernando Pimenta vai na manhã desta terça-feira tentar garantir a sua quarta final olímpica, após a medalha de prata em K2 1.000 com Emanuel Silva em Londres-2012, do quinto lugar no K1 1.000 e na sexta posição em K4 1.000, ambos no Rio de Janeiro-2016. O português fez ainda o K2 200 em Londres, terminando no 14.º lugar.

Em atualização