Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O exército israelita anunciou esta terça-feira de manhã que bombardeou dois edifícios do Hamas na Faixa de Gaza — uma fábrica de armas e um ponto de lançamento de rockets — e várias entradas de túneis, em resposta a novo lançamento de balões incendiários a partir do enclave palestiniano.

Desde que, em maio, foi decretado o cessar-fogo após 11 dias de conflito entre Israel e o movimento islamista Hamas, foram já vários os lançamentos de balões deste género através da fronteira com Israel — segundo um post das Forças de Defesa Israelitas no Twitter, aconteceu ao longo de “todo o verão”.

Esta segunda-feira os engenhos provocaram vários incêndios florestais no sul do país. Não registaram qualquer vítima, tal como os ataques de resposta ao Hamas — de acordo com a Reuters, não há, para já, relatos de feridos ou mortes associados aos bombardeamentos israelitas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

De acordo com os palestinianos, o envio de balões não pretende afrontar Israel, apenas pressionar o governo de Naftali Bennett para aliviar as restrições em Gaza e permitir que a ajuda humanitária chegue ao território — Israel mantém o território sob bloqueio e o movimento para o exterior continua a ser fortemente restringido.

Este novo lançamento acontece escassos dias depois de, na quinta-feira passada, o ministro da Defesa de Israel ter anunciado que o país tinha chegado a acordo com o Qatar e as Nações Unidas para permitir a ajuda monetária daquele país ao enclave.