O Governo chinês proibiu esta quinta-feira homens com aspeto considerado afeminado na televisão e disse às emissoras do país para promoverem a “cultura revolucionária”, ampliando uma campanha para aumentar o controlo sobre os negócios e a sociedade.

Usando gíria ofensiva para designar homens com aspeto considerado afeminado — “niang pao”, em chinês, a Administração da Rádio e Televisão da China indicou que as emissoras devem “excluir resolutamente ‘maricas’ e outros tipos de estética anormais”.

Isto reflete a preocupação oficial de que as celebridades chinesas, influenciadas pela aparência elegante e feminina de alguns cantores e atores sul-coreanos e japoneses, não estejam a incentivar os jovens chineses a serem masculinos o suficiente.

As emissoras devem evitar a promoção de “celebridades vulgares da internet” e a admiração pela riqueza e celebridade, apontou o regulador.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Os programas devem antes “promover vigorosamente a excelente cultura tradicional chinesa, a cultura revolucionária e a cultura socialista avançada”.

O Governo de Xi Jinping, o mais forte líder chinês desde o fundador da República Popular, Mao Zedong, também está a aumentar o controlo sobre a indústria da internet, com regulamentos antimonopólio ou de proteção da segurança dos dados dos utilizadores.

Novas regras estipulam que os menores só podem jogar ‘online’ entre as 20h00 e as 21h00 às sextas-feiras, sábados e domingos.

As empresas que desenvolvem os jogos já eram obrigadas a enviar os novos produtos para aprovação oficial. Em mais um exemplo de como o Partido Comunista (PCC) voltou a reforçar o controlo sobre as várias esferas da vida na China, as autoridades pedem agora que sejam acrescentados temas “nacionalistas”.

O PCC também está a aumentar o controlo sobre as celebridades.

As emissoras devem evitar artistas que “violam a ordem pública” ou “perderam a moralidade”, disse o regulador. Programas sobre filhos de celebridades também são proibidos.

No sábado, a rede social Weibo, o Twitter chinês, suspendeu milhares de contas de clubes de fãs e notícias de entretenimento.

Uma atriz popular, Zhao Wei, desapareceu das plataformas de transmissão de vídeo sem explicação. O seu nome foi retirado dos créditos de filmes e programas de televisão.

A ordem de quinta-feira refere que as emissoras devem limitar os pagamentos aos artistas e evitar termos de contrato que possam ajudá-los a fugir aos impostos.

Outra atriz, Zheng Shuang, foi multada em 299 milhões de yuans (39 milhões de euros), na semana passada, por evasão fiscal, num aviso às celebridades para servirem como modelos positivos.