A Federação Nacional da Educação (FNE) anunciou esta quarta-feira que se vai juntar à greve de trabalhadores da administração pública marcada para o dia 12 de novembro, uma semana depois da greve de professores e educadores.

Em comunicado, a FNE refere que entregou esta quarta-feira um pré-aviso de greve para o dia 12 de novembro, em articulação com a Federação de Sindicatos da Administração Pública e de Entidades com Fins Públicos (FESAP).

Governo não muda proposta de aumentos salariais. FESAP junta-se à Frente Comum e marca greve para 12 de novembro

O objetivo da paralisação, escreve a federação, é “reforçar a ideia de que durante toda esta legislatura e em todos os orçamentos, desde 2016 até 2021, nunca foi promovida uma justa valorização dos trabalhadores da Administração

Fenprof e FNE convocam greve nacional de professores e educadores para 5 de novembro

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Além desta, a FNE já tinha convocado uma outra greve nacional de professores e educadores para 5 de novembro, em articulação com a Federação Nacional dos Professores (Fenprof) e outros sindicatos do setor da Educação.

Entre os motivos para as ações de protesto, a FNE refere a falta de negociação entre os sindicatos e o Ministério da Educação para discutir questões como a recuperação integral do tempo de serviço, a falta de professores e as condições de trabalho.

Concretamente no que respeita à proposta de Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), que é esta quarta-feira votada na generalidade pela Assembleia da República, a federação reforça a exigência de atribuir à educação 6% do orçamento, aumentos “justos” de salários e pensões, a criação das carreiras especiais de trabalhadores não docentes e a revisão da avaliação de desempenho.