Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Huma Abedin, ex-assistente de Hillary Clinton, revelou ter sido vítima de assédio sexual por parte de um senador. “Ele convidou-me para um café. Quando entrei dentro [da sua casa], ele disse para pôr-me confortável no sofá. Depois, num piscar de olhos, tudo mudou. Ele sentou-se à minha direita, pôs o seu braço esquerdo sobre o meu ombro, beijou-me, pondo a língua dentro da minha boca.” 

Não tendo indicado nem o nome nem o partido a que pertence o senador, Huma Abedin recordou este episódio que a “chocou totalmente” e que ocorreu quando Hillary era senadora, entre 2001 e 2009. Após o beijo, a mulher contou que o “empurrou”: “Tudo o que queria era que esses últimos dez segundos fossem apagados da minha memória”. Lembrou ainda que o senador ficou surpreendido após a sua reação, dizendo que tinha “interpretado mal” os “sinais”. Mas, mesmo após a rejeição, o político insistiu em que ela dormisse na sua casa.

Numa pré-publicação de um livro de memórias que será lançado nos próximos dias e de que o The Guardian obteve uma cópia, Huma Abedin lembrou que, apesar da insistência, se foi embora imediatamente “antes que alguma coisa pudesse correr mal“. “Depois disse-lhe algo que uma versão minha com cerca de 20 anos diria: ‘Peço desculpa’ e saí de sua casa, tentando falar o menos possível”. De acordo com o relato, tudo isto aconteceu após um jantar em Washington em que estiveram presentes vários senadores.

Depois deste episódio, Huma Abedin tentou afastar-se o mais possível do senador, evitando-o “durante alguns dias”. Mas, tendo em conta que trabalhavam no mesmo local, foi impossível ignorá-lo completamente — e foi a própria ex-assistente que foi ter com ele para discutirem o que tinha acontecido, em frente de Capitol Hill.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O assunto ficou resolvido e a ex-assistente sinalizou que manteve depois uma relação cordial com o senador, sublinhando que conseguiu “enterrar” e esquecer aquilo que se passou entre eles. Hillary Clinton nunca terá tido conhecido este episódio, conta Huma Abedin, que não tem dúvidas de que a ex-candidata à presidência dos Estados Unidos a apoiaria.

No livro de memórias, Huma Abedin dedicou ainda um excerto ao casamento de Donald Trump com Melania Trump, do qual foi convidada. “Parecia um casamento árabe”, descreveu a norte-americana que nasceu na Arábia Saudita.

A vida privada de Huma Abedin já esteve sob foco mediático durante a campanha presidencial de 2016, quando o New York Post publicou um artigo, revelando em primeira mão que o ex-marido da então assistente de Hillay Clinton, Anthony Weiner, a tinha traído — e tinha mesmo publicado fotos íntimas com o seu affair. 

Leia também: