Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Muitos italianos estão a juntar-se em festas Covid com o objetivo de contrair a doença e, assim, ter acesso ao certificado digital sem a necessidade de ser vacinado. O fenómeno está a preocupar as autoridades de saúde italianas, principalmente no norte do país.

Na maioria, quem frequenta estas festas são jovens, muitos deles em idade escolar, mas também há pessoas mais velhas. A perceção dos mais novos é, de acordo com declarações do coordenador de saúde da província de Bolzano, Patrick Franzoni, que “a doença não é perigosa”. No entanto, ao Corriere della Sera o responsável salienta que “há consequências a longo prazo”.

Nas festas, os infetados convivem, bebem da mesma garrafa, beijam e abraçam aqueles que não estão doentes, apesar de quem tiver contagiado outra pessoa intencionalmente possa responder judicialmente. As autoridades italianas já estão a investigar algumas destes convívios.

Pelo menos uma das pessoas que foi a uma das festas testou positivo à doença e acabou por ser hospitalizado. “Foi um erro sério”, admite o doente ao Corriere de Veneto, ressalvando, contudo, que ainda não está seguro de que seja Covid-19, alegando apenas que sofre de uma pneumonia.

Muitos daqueles que vão a estas festas não querem ser vacinados, comparando a “Covid-19 a uma gripe”, diz Patrick Franzoni, que também revela que no norte de Itália a taxa de vacinação ronda os 78%.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Em Itália, o certificado digital está disponível para vacinados e recuperados, desde que tenham tido a doença nos últimos seis meses.