Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Dense Air, Nos e Vodafone serão as primeiras a ter oferta 5G disponível. Pelo menos foram as primeiras empresas vencedoras do leilão 5G a pagar as respetivas licenças.

De acordo com informação da Anacom, foi aprovada na quarta-feira, 24 de novembro, “os projetos de decisão relativos à emissão dos títulos dos direitos de utilização de frequências atribuídos a três das empresas vencedoras no Leilão 5G, respetivamente Dense Air, Nos e Vodafone”.

Isto, explica ainda a Anacom, “na sequência dos pagamentos efetuados por essas empresas dos valores devidos pelo espectro ganho no referido leilão”.

Agora estes projetos de decisão “foram submetidos à audiência prévia de cada uma das empresas, por um período de 10 dias, findo o qual serão analisadas as respetivas pronúncias e serão preparadas as decisões finais sobre os títulos correspondentes, os quais serão publicados no sítio desta Autoridade”, esclarece o regulador. Os 10 dias é um prazo máximo de resposta, podendo as empresas optar por responder em menos tempo, acelerando o processo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ao Observador, a Vodafone tinha revelado na quarta-feira que já tinha desencadeado “o processo de pagamento, aguardando dentro dos prazos estabelecidos, a atribuição dos direitos de utilização de frequências”.

A Altice, que ainda não fez o pagamento, revelou ao Observador que o pagamento das licenças 5G “será realizado de acordo com os períodos estabelecidos pela Anacom”, que deu dez dias desde a aprovação final do relatório do leilão para se proceder ao pagamento.

Até ao momento não foi possível obter um comentário da Nos. E a Nowo revelou ao Observador que “a intenção é proceder ao pagamento dos valores económicos pertinentes o mais rapidamente possível, de modo a acelerar a obtenção dos títulos habilitantes, cuja posse permitirá iniciar os trabalhos de implementação da tecnologia 5G”.

5G a caminho. Só falta pagamento dos operadores para haver licenças

A Dense Air é um operador grossista, ou seja não vai ter oferta ao público, mas apenas aos outros operadores.