Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Karl Lagerfeld foi uma figura da cultura popular e um ávido colecionador. O designer de moda morreu em 2019 e agora muitos dos seus bens pessoais vão a leilão na Sotheby’s, num evento dividido em três partes. A primeira aconteceu no Mónaco, presencialmente, entre os dias 3 e 5 de dezembro e online entre os dias 28 de novembro e 6 de dezembro e, segundo o jornal Daily Mail, resultou em quase 12 milhões de euros.

O leilão KARL – Karl Lagerfeld’s Estate é, para a Sotheby’s, uma homenagem ao criativo. Mais de 100 bens pessoais, provenientes das casas de Lagerfeld em França e no Mónaco, serão leiloados em três eventos diferentes divididos em três locais: Mónaco, Paris e Colónia.

A Parte I aconteceu no Mónaco nos dias 4 e 5 de dezembro de 2021 e decorreu online entre 28 de novembro e 6 de dezembro.
A Parte II acontecerá em Paris nos dias 14 e 15 de dezembro e online entre os dias 6 e 16 de dezembro.
A Parte III do leilão acontece em Colónia, cidade Natal de Karl Lagerfeld, em março de 2022.

Os lotes a leilão são também um reflexo da sua personalidade, da sua carreira e do seu gosto. Lagerfeld era designer de moda, mas as suas áreas de interesse incluíam também a decoração, a fotografia, o design, a arte e colecionava peças de todas elas. As peças deste leilão incluem também obras sobre o próprio Lagerfeld, como o retrato assinado por Takashi Murakami, ou bonecos Tokidoki. E há ainda os bens pessoais, como taças com a imagem da sua gata Choupette.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Na primeira parte deste leilão, que aconteceu em Monte Carlo entre 3 e 5 de dezembro, contou com várias peças de mobiliário e decoração, entre as quais obras de Art Deco de Louis Süe e André Mare, obras de arte contemporânea de artistas como Jeff Koons, Baldessari e Takashi Murakami. E ainda peças em prata, roupa de casa em linho, tapetes, objetos em vidro, baús de viagem, e vários serviços de loiça. Foram vendidas também ilustrações da autoria de Lagerfeld, mas também assinadas por Yves Saint Laurent. Há ainda a acrescentar três Rolls Royces, muitas mitenes (luvas sem dedos) que o designer usava e casacos de marcas como  Dior, Saint Laurent, KL, Comme des Garçons ou Martin Margiela.

Entre as obras de arte deste leilão está uma peça de Joana Vasconcelos. A obra da artista, que tem por base uma escultura Gato Assanhado de Bordalo Pinheiro, está revestida com crochê e chama-se Chupette, o nome da gata de Karl Lagerfeld. Antes do evento estimava-se que a obra fosse vendida por um valor entre os cinco e os sete mil euros, mas acabou o martelo da Sotheby’s só bateu aos 20,160 euros.

Karl Lagerfeld é alemão, mas foi em França que se tornou uma estrela. O designer assumiu as rédeas da maison Chanel em 1983, como diretor criativo e manteve-se no cargo até à sua morte a 19 de fevereiro de 2019. Durante estes 36 anos ajudou a tornar a marca francesa uma referência e um império global e tornou-se, ele próprio, também uma figura chave no universo da moda e do luxo e um ícone da cultura popular, com uma imagem tão característica que é transversalmente reconhecível.