Quem leu Astérix e Cleópatra sabe que o nariz da Esfinge foi partido por Obélix quando quis trepar por ela acima. O que não sabíamos é que, durante a Batalha das Pirâmides, em 1798, Napoleão Bonaparte tinha destruído o topo de duas das pirâmides de Gizé a tiros de canhão (o governo egípcio deve mais tarde tê-las reparado, a bem do património cultural da humanidade, e do turismo). Ridley Scott filma este disparate sem fundamento histórico a certa altura do seu Napoleão, quando da campanha napoleónica no Egito, justificando-o porque representa o poder militar do imperador e das forças francesas (podia, em vez disso, ter mostrado um plano com as forças inimigas a ser dizimadas pela artilharia do invasor, mas isso talvez fosse banal demais).

[Veja o “trailer” de “Napoleão”:]

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.