814kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Mau resultado leva Yolanda Díaz a abandonar a liderança do Sumar. PP ganha ânimo, PSOE tenta resistir

Sumar obteve 4,7% dos votos e elege apenas 3 eurodeputados. Yolanda Díaz demite-se da liderança do partido, mas mantém-se vice-presidente do governo. PP ganha e pede demissão de Sánchez, PSOE rejeita.

GettyImages-2155417305
i

Apesar de se demitir da liderança do Sumar, Yolanda Díaz não abandonará o cargo de vice-presidente do governo espanhol, assim como continuará a ser líder parlamentar do partido

Europa Press via Getty Images

Apesar de se demitir da liderança do Sumar, Yolanda Díaz não abandonará o cargo de vice-presidente do governo espanhol, assim como continuará a ser líder parlamentar do partido

Europa Press via Getty Images

Foi o rosto da esquerda alternativa aos socialistas durante dois anos. Criou o Sumar em 2022, um movimento político que amalgamava vários partidos pertencentes a este espetro político. Tentava substituir Pablo Iglesias, que se afastou da vida política, adotando um tom aparentemente mais conciliatório com o Partido Socialista Obreiro Espanhol (PSOE). Esta segunda-feira, Yolanda Díaz, a vice-presidente do governo espanhol, anunciou que se demitia da liderança do Sumar, após um mau resultado nestas eleições europeias.

Foi a principal onda de choque em Espanha nestas europeias, que o Partido Popular (PP) venceu com 34% dos votos, seguido do PSOE com 30,2%. A formação política liderada por Yolanda Díaz não foi além dos 4,7% dos votos e elegeu apenas três eurodeputados. Ficou apenas ligeiramente acima do recém-criado partido anti-imigração e populista Se Acabó La Fiesta (4,6%). O resultado foi ainda mais desapontante, uma vez que esta era a primeira em que o partido Sumar ia a votos praticamente sozinho.

Em dezembro de 2023, após algumas tensões, o Unidas Podemos decidiu romper a aliança que mantinha com o Sumar. Ora, nestas europeias, Yolanda Díaz não contava com o apoio daquela força partidária, que concorreu a solo e acabou, mesmo assim, por eleger dois eurodeputados, com 3,3% das intenções de voto. Além disso, também à esquerda, o Sumar foi superado por Ahora Repúblicas: uma coligação formada pelos partidos independentistas Bloco Nacionalista Galego, pelo basco EH Bildu e pela Esquerda Republicana Catalã.

Cisão na esquerda espanhola: Unidas Podemos rompe com Yolanda Díaz e abandona grupo parlamentar do Sumar

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Numa declaração aos jornalistas esta segunda-feira, Yolanda Díaz reconheceu que estas eleições “serviram como um espelho”: “A cidadania não se engana quando vota e também se decide não ir votar. A responsabilidade é sempre nossa. E, neste caso e sem dúvida nenhuma, a responsabilidade é minha”. “Sinto que não fiz as coisas bem. A cidadania percebeu isso”, lamentou a vice do governo espanhol.

Apesar de se demitir da liderança do Sumar, Yolanda Díaz não abandonará o cargo de vice-presidente do governo espanhol, assim como continuará a ser líder parlamentar do partido. Sobre o governo liderado por Pedro Sánchez, a responsável acredita que continua a ser “a melhor ferramenta para melhorar a vida às pessoas”. Lamentando a subida dos partidos de direita na Europa, a política assegurou que vai continuar a trabalhar no “governo de coligação progressista” que será capaz, diz, de “converter o ódio e a insatisfação numa onda de direitos e esperança”.

A sucessão de Yolanda Díaz é, por agora, um mistério. Construída em redor da imagem daquela política, a plataforma política Sumar não tem um sucessor definido, ainda que os nomes de Ernest Urtasun, ministro da Cultura, e Íñigo Errejón, porta-voz do Sumar (e ex-figura destacada do Podemos, até bater com a porta), constem como os favoritos, segundo o El Mundo. Por agora, os estatutos do partido preveem que o grupo de coordenação — composto por 121 membros — tenha de votar por maioria simples quem será o novo líder. A votação deverá ocorrer nas próximas semanas.

Com o Sumar numa posição mais débil, o Unidas Podemos deseja aproveitar este momento para ganhar força e capitalizar. Pablo Iglesias já veio garantir que a demissão de Yolanda Díaz significa o “fim do Sumar”. “O Sumar só tem sentido sob a liderança de Yolanda Díaz”, argumentou o ex-vice-presidente do governo espanhol, expondo que Pedro Sánchez transformou o Sumar num “parceiro cómodo” — o que acabou por ser fatal.

Partido Popular preconiza fim de Sánchez: “Está a cozinhar em lume brando”. Mas PSOE resiste

As primeiras projeções e sondagem à boca das urnas deixavam tudo em aberto, praticamente um cenário de empate técnico. O PP tinha apenas uma ligeira vantagem sobre o PSOE, de Pedro Sánchez. Não obstante, quando os começaram a ser divulgados os resultados, os populares, obtendo 34,2% e elegendo 22 eurodeputados, descolaram aos socialistas, que ficaram com 30,2% das intenções de voto e 20 eurodeputados.

O líder do Partido Popular, Alberto Núñez Feijóo, festejou os resultados na noite deste domingo. Algumas horas mais tarde, o porta-voz do partido, Borja Sémper, sublinhava a dimensão da vitória eleitoral do PP. Munido com um mapa de Espanha que mostrava que os populares tinham vencido todas as comunidades autónomas (à exceção do País Basco, Catalunha, Aragão), o responsável popular pediu a demissão de Pedro Sánchez.

“Não estamos apenas perante o fim de uma legislatura. Perante uma legislatura esgotada. Estamos perante o fim de um ciclo”, atirou o porta-voz partidário, garantindo que o “tempo do PSOE terminou e o de Pedro Sánchez também”: “A saída de Sánchez está a cozinhar-se em lume brando e, ainda que resista, cairá”.

GettyImages-2156919686

Borja Sémper com o mapa de Espanha que mostra a vitória do PP

Europa Press via Getty Images

A possibilidade de eleições antecipadas foi desde logo rejeitada pelo PSOE. A porta-voz socialista, Esther Peña, pediu ao PP para que “perca toda a esperança” dessa hipótese. “Temos um governo progressista para algum tempo”, prometeu a responsável partidária, acusando Alberto Núñez Feijóo de ser um “populista de extrema-direita” e de ter “abençoado” a extrema-direita.

O guião dos socialistas está também pronto para os próximos tempos: colar ainda mais o PP à “extrema-direita”. Na sua conta do X, ao dar os parabéns ao Partido Popular, Pedro Sánchez assinalou que o PSOE é o único partido que é capaz de oferecer uma “opção de governo capaz de fazer frente à onda de extrema-direita que contagia a Europa e Espanha”.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos