Índice

    Índice

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Nascida nos Estados Unidos, Anne Applebaum ganhou notoriedade com a publicação, em 2003, de Gulag: A History (tradução portuguesa: Gulag: uma história), uma obra que constitui um contributo fundamental para o conhecimento das atrocidades cometidas pelo regime comunista na Rússia. Embora se tenha destacado aí como historiadora, Applebaum é uma reconhecida jornalista desde que iniciou a sua carreira como correspondente para o The Economist em Varsóvia, no final da década de 1980. Tendo casado com o jornalista e político polaco Radek Sikorski no início dos anos 90, a sua vida acabou por ficar ligada à Polónia, tendo-se tornado cidadã polaca em 2013.

Esta referência biográfica poderia parecer desnecessária não fosse o seu último livro – Twilight of Democracy: the seductive lure of authoritarianism (traduzido por Paulo Tavares com a chancela da Bertrand Editora: O crepúsculo da democracia. O fracasso da política e o apelo sedutor do autoritarismo) – ter sido construído diretamente a partir dessas referências biográficas: convocando amigos e conhecidos para a sua reflexão, Applebaum não se inibe de expressar as suas opiniões pessoais sobre eles, por vezes de uma forma bastante dura, como acontece quando fala de Boris Johnson. Parte, então, da sua experiência pessoal, do que tem visto sobretudo na Polónia, Hungria e Estados Unidos, para uma reflexão mais ampla sobre o momento de crise da democracia liberal e de sucesso do autoritarismo.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.