Índice

    Índice

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O novo coronavírus “não tem contemplações”. É “injusto, cruel, implacável e vai atacar, seja Natal ou não”. É por isso que, em entrevista ao Observador, Rui Nogueira, médico de saúde geral e familiar, considera que as medidas do Governo para o Natal (tal como as do Ano Novo o foram) deveriam ser revistas, são “demasiado permissivas” e “desadequadas” à realidade epidemiológica da Covid-19 em Portugal.

Neste momento, os números de novos casos de infeção pelo novo coronavírus continuam com tendência decrescente, mas a um ritmo inferior ao que tinha vindo a ocorrer antes de 1 de dezembro. As limitações impostas nos primeiros dois fins de semana prolongados deste mês, devido aos feriados de 1 e 8, que envolveram, entram várias outras medidas, o recolhimento obrigatório às 13h00 e a proibição da circulação entre concelhos, tiveram um impacto menos forte do que se julgava: a pandemia no país está agora num planalto, mas inclinado.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.