Dark Mode 111kWh poupados com o Asset 1
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Hoje é um bom dia para mudar os seus hábitos. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia
i

Visual Hunt

Visual Hunt

Dinheiro, cartão ou “app”? Use o telefone para pagar a conta

O seu banco quer que use mais o cartão Multibanco. Três aplicações móveis propõem novos embrulhos para métodos antigos de pagamento. Será que convencem comerciantes, bancos e – mais importante – a si?

    Índice

    Índice

O lucro do seu banco é maior se usar cartão

Todos os dias, os portugueses puxam da carteira treze milhões de vezes para fazer pagamentos. Na maioria dos casos, abrem o porta-moedas: sete em cada dez vezes, os consumidores particulares pagam com notas e moedas.

Os bancos gostariam que usasse mais o cartão de débito. O Banco de Portugal estima que este meio de pagamento é o que gera mais lucros diretos para a banca: 6,5 cêntimos por pagamento contra um prejuízo de 7,6 cêntimos nos pagamentos em numerário dos seus clientes, segundo um estudo publicado no passado mês de outubro que contabiliza dados de 2013.

Os cálculos do Banco de Portugal também sugerem aos consumidores o uso dos cartões de débito, por vezes chamados de cartões Multibanco. O banco central estima que cada pagamento com notas e moedas custou 24 cêntimos aos consumidores em 2013, embora 98% desse valor seja atribuído ao tempo incorrido com o pagamento. É mais do que os 20 cêntimos por pagamento com cartão de débito.

1,89€

“A partir da composição dos custos sociais de cada instrumento de pagamento em 2013, conclui-se que o numerário é o instrumento mais eficiente para pagamentos abaixo de 1,89 euros; acima deste valor, o cartão de débito é sempre mais vantajoso para a sociedade.”

Fonte: "Custos sociais dos instrumentos de pagamento de retalho em Portugal – 2016", Banco de Portugal.

Para acelerar o desapego dos portugueses às notas e moedas, o sistema financeiro está a aderir a novos veículos de pagamento através de telemóveis. Enquanto não chegam a Portugal as principais soluções mundiais, como o Apple Pay da fabricante de iPhones e iPads e o Android Pay desenvolvido pela Google, os consumidores nacionais podem escolher entre o MB Way, da dona da rede Multibanco, a Seqr, da sueca Seamless, e o Meo Wallet da Portugal Telecom. (Atualização: Há uma quarta opção, a Lusopay Wallet, que tem aplicações para sistemas Android, Fire OS, iOS e Windows. José Ribeiro, gerente da Lusopay, estima que processarão perto de 30 milhões de euros em 2016.)

A novidade dos chamados pagamento móveis é apenas a plataforma. MB Way, Seqr e Meo Wallet são maneiras novas de fazer pagamentos como sempre: o dinheiro acaba sempre por sair da sua conta à ordem. O instrumento mais moderno neste leque é a moeda eletrónica, mas as suas regras já têm mais de sete anos.

Lentamente, os novos sistemas de pagamento estão a convencer. “Estamos dispostos a receber qualquer sistema de pagamento”, diz Luís Tomás, diretor do hipermercado Continente no Centro Comercial Colombo, onde 65% dos pagamentos são feitos com cartões bancários. Os responsáveis do Continente reconhecem que os novos instrumentos “aceleram o processo de pagamento e são mais cómodos para o consumidor”, mas, como sabem que são “ tecnologias mais utilizadas pelas faixas etárias mais jovens da população”, manterão os métodos de pagamento tradicionais.

“Achamos que o mercado português, embora seja muito atento às novas tecnologias, quando toca a pagamentos é mais resistente.”
Ana Stilwell, diretora de marketing da Starfoods

A Starfoods, a empresa que tem 54 restaurantes de marcas como Loja das Sopas e Companhia (o novo nome da Companhia das Sandes), além de estabelecimentos franchisados, foi uma das primeiras a aderir a dois dos três sistemas de pagamento que usam o telemóvel. “Sentimos a necessidade de acompanhar o mercado com a evolução das novas tecnologias”, explica Ana Stilwell, diretora de marketing do grupo. “Achamos que o mercado português, embora seja muito atento às novas tecnologias, quando toca a pagamentos é mais resistente.” A diretora da Starfoods explica que ainda não surgiu a oportunidade para aderir ao Meo Wallet.

Cheques a desaparecer

Mostrar Esconder

O uso de cheques está em queda livre. Na última década, o número de cheques desceu 12% por ano. Em 2015, os cheques “representavam apenas 1% dos pagamentos dos diferentes agentes económicos”, estima o Banco de Portugal. Mesmo assim, foram apresentados diariamente cerca de 170 mil cheques em 2015.

Além dos bancos e dos comerciantes, os consumidores também estão ser persuadidos. Um em cada três portugueses já utilizou telemóvel para pagamentos, segundo um inquérito da Inmark citado pelo Dinheiro Vivo. Ainda não se convenceu?

MB Way: o Multibanco como sempre, mas no telefone

A SIBS, a firma que gere o Multibanco, alavancou-se na sua rede para lançar o MB Way. Em pouco mais de um ano, conseguiu convencer mais de 155 mil utilizadores. “Somos líderes, tendo em conta que é o serviço mais universal, mais completo e mais moderno que existe”, explica Maria Antónia Saldanha, diretora de marca e comunicação da SIBS.

“Neste momento, 95% dos cartões que os portugueses têm podem estar dentro do MB Way”, garante Maria Antónia Saldanha, diretora da SIBS.

HUGO AMARAL/OBSERVADOR

O processo de adesão é simples: depois de se inserir o cartão de débito ou de crédito num caixa Multibanco, escolhe-se a opção “MB Way” e “Adesão ao MB Way”. Depois introduz-se o número de telemóvel e define-se um código PIN. Em alguns casos, também pode fazer-se a adesão no serviço de banca eletrónica do banco. Posteriormente, é preciso descarregar a aplicação MB Way na loja do sistema operativo do telemóvel: App Store, Google Play ou Microsoft. A ativação do serviço é efetuado após a introdução do número de telefone e o código PIN na aplicação.

É preciso que o cartão seja emitido por um dos 14 bancos aderentes ao MB Way. O Banco CTT, que já iniciou o processo de adesão, deverá ser o décimo quinto. Pode incluir-se mais do que um cartão na aplicação. Também se pode ter o MB Way instalado em mais do que um dispositivo.

Para pagar uma compra numa loja tem de se introduzir o número de telefone no terminal ou fornecê-lo ao comerciante. A aplicação MB Way alertará para a confirmação da compra. Se tiver mais do que um cartão na aplicação, o utilizador terá de escolher qual quer usar no pagamento.

Maria Antónia Saldanha, diretora da SIBS, demonstra um pagamento e uma transferência através da aplicação MB Way.

Para todos os efeitos, a compra é feita pelo cartão selecionado pelo consumidor na aplicação. “É muito fácil convencer os utilizadores porque eles experimentam o serviço”, diz Maria Antónia Saldanha. “Qualquer pessoa que experimente vê como é fácil de usar, muito seguro, muito simples, torna-se fã e rapidamente adota o serviço”, conclui a diretora da SIBS.

O MB Way não está limitado às lojas físicas. Os utilizadores também podem fazer pagamentos em comerciantes na Internet, como o Continente Online. Aliás, o MB Way nasceu como uma solução para compras na Internet. “Foram eles [os comerciantes de lojas físicas] que nos vieram bater à porta a pedir para ter o MB Way”, recorda Maria Antónia Saldanha. “É muito mais cómodo: no supermercado, chega a uma caixa e nem sequer tem de tirar o cartão da carteira ou abrir a mala; basta pôr o seu número de telemóvel e ter o telemóvel sempre à mão”, resume a diretora.

Neste momento, há cerca de 50 marcas de lojas a aceitar MB Way. Algumas, como as do H3, integram o MB Way nas suas próprias aplicações móveis, facilitando o processo de pagamento. Ao todo, há mais de 850 comerciantes que integraram ou adquiriram a integração MB Way.

A SIBS processa cerca de 1300 operações MB Way por dia, o que inclui não só pagamentos com cartões, como transferências bancárias entre aderentes e utilização de MB Net. A aplicação MB Way permite a geração de cartões virtuais MB Net, usados maioritariamente no pagamento de compras em portais de retalhistas estrangeiros. Todos os meses são criados 25 mil cartões MB Net. “É um caso incrível de sucesso”, classifica Maria Antónia Saldanha.

Pagamento sempre gratuitos

Mostrar Esconder

Os responsáveis pelas novas aplicações móveis de pagamento salientam que as soluções são gratuitas para os consumidores. No entanto, este facto não representa uma vantagem, porque a lei portuguesa impede os comerciantes de cobrarem encargos quando os seus clientes usam terminais de pagamento automático. Além disso, os bancos também não podem cobrar quando os clientes usam o Multibanco e outros caixas automáticos para fazer pagamento de serviços.

O MB Way é gratuito para os clientes bancários. “São as entidades financeiras que, no fundo, são os clientes diretos da SIBS”, resume Maria Antónia Saldanha. “Investimos continuamente em desmateralizar os pagamentos e proporcionar aos portugueses meios de pagamento mais cómodos e mais seguros”, acrescenta a diretora da SIBS. “Queremos contribuir para uma economia digital, o mais digital possível.”

Seqr: pagar com o telemóvel dá desconto

Se o MB Way é o Multibanco no telefone, a concorrente Seqr é o débito direto. A Seqr – os responsáveis pela marca dizem se-quiur, do mesmo modo que se lê secure (seguro) em inglês – recorre a esse sistema para liquidar os pagamentos. Todavia, como o débito direto não funciona em tempo real, o processo é diferente do MB Way.

A adesão à Seqr é rápida: instala-se a aplicação disponível na App Store, na Google Play e na Microsoft, preenchem-se os dados solicitados (como PIN do serviço Seqr, nome, morada e IBAN da conta bancária) e fotografa-se um documento de identificação, como o Cartão de Cidadão. “Passados quatro ou cinco minutos, em que fazemos o processo de onboarding, o saldo do utilizador passa de zero para 75 euros”, resume João Pedro Duarte, diretor da Seqr para Portugal.

“A nossa expectativa é que, daqui a algum tempo, [possamos] alargar o plafond com base em comportamentos e experiências de utilizador”, indica o diretor da Seqr.

HUGO AMARAL/OBSERVADOR

O saldo da Seqr não reflete o saldo da conta à ordem do utilizador. Aliás, a Seqr não sabe quanto dinheiro os utilizadores têm. Sempre que um utilizador faz uma compra ou uma transferência, a Seqr aciona a autorização de débito direto para cobrar o montante. Quando a cobrança é feita com sucesso, o saldo disponível volta a ser reposto. Os primeiros 75 euros são válidos para três transações. “Após três bons processos de cobrança aumentamos para 750 euros”, indica João Pedro Duarte. “É o risco que estamos a correr pelo utilizador”, diz.

Nas lojas parceiras da Seqr, o pagamento é tão simples como apontar a câmara do telemóvel para um código QR – um código de barras bidimensional que identifica o ponto de pagamento – e inserir o PIN na aplicação para confirmar a operação.

Recentemente, o Seqr introduziu uma outra forma de pagamento: é possível pagar aproximando o telemóvel ao terminal de pagamento. Funciona exatamente como se fosse um cartão de pagamento com a tecnologia de leitura por aproximação. Nesta operação, a aplicação Seqr emula um cartão MasterCard, mas as compras são igualmente pagas por débito direto.

Enquanto na primeira opção toda a operação usa a infraestrutura do Seqr, o segundo processo passa por redes de terceiros, como a da SIBS.

João Pedro Duarte, diretor da Seqr, exemplifica um pagamento por aproximação e um pagamento com código QR usando a aplicação Seqr.

Para os consumidores, não há custos para fazer os pagamentos. Porém, os utilizadores da Seqr devem preferir pagar recorrendo aos códigos QR em vez de pagamentos por aproximação, porque têm mais vantagens financeiras.

Por um lado, há os incentivos dos comerciantes. “Por exemplo, nos parques [de estacionamento] da Esse, quando alguém paga com Seqr tem 10% de desconto. Na Starfoods, também tem 10% de desconto. É para todas as compras, mas é limitado no tempo”, explica João Pedro Duarte.

Por outro lado, há os incentivos da própria Seqr. “É um modelo de cash-back, conforme o número de utilizações que o utilizador faça”, acrescenta o diretor da Seqr. Se fizer até 11 transações em um mês, o utilizador recebe 1% das compras; se fizer entre 12 e 19 operações, recebe 2%; se fizer 20 ou mais compras, recebe 3% do montante gasto. “O modelo de cash-back é para ficar”, garante Duarte. As devoluções são operados uma vez por trimestre.

Os pagamentos com a tecnologia de proximidade também contam para o cálculo das devoluções trimestrais, mas não dão direito aos descontos dos comerciantes. Todavia, apenas os utilizadores de telemóveis com sistema Android ou Windows conseguem usar esta tecnologia.

iPhone sem pagamentos por proximidade

Mostrar Esconder

Os mais recentes telemóveis iPhone, desenvolvidos pela Apple, incluem a tecnologia que permite fazer pagamentos por proximidade, mas o circuito está bloqueado a aplicações de terceiros. “A expectativa de todos [os que gerem] meios de pagamentos que usam NFC [comunicação por campo de proximidade] é que a Apple desbloqueie mais dia menos dia”, conta João Pedro Duarte, da Seqr.

Para conseguir que os utilizadores portugueses – que têm duplicado a cada trimestre – usem com mais frequência a aplicação Seqr, é preciso convencer os comerciantes a aderir. Para o conseguir, a equipa de João Pedro Duarte tem três estímulos: os retalhistas podem ter mais informação sobre o perfil dos seus clientes, podem fazer marketing direcionado (por exemplo, promoções apenas para uma faixa etária) e, principalmente, baixos custos. “O preço cobrado é quase sempre 50% do que os comerciantes pagam nos cartões”, revela o diretor da Seqr.

O custo é um factor crítico, mas nem sempre. O Pingo Doce, que esteve dois anos sem aceitar cartões bancários nos pagamentos até 20 euros devido às elevadas despesas, não aderiu aos pagamentos móveis. “Esta questão [de poupança nas comissões] não se coloca relativamente aos grandes retalhistas, na medida em que já têm taxas idênticas às que estes novos meios de pagamento podem oferecer”, indica fonte oficial do grupo Jerónimo Martins, que controla o Pingo Doce. “No entanto, o Pingo Doce está sempre disponível para analisar novas possibilidades.”

Ana Stilwell, da Starfoods, confirma que o MB Way e a Seqr permitem ao grupo de restauração baixar os seus custos. “Ambas as opções são mais económicas do que o cartão de débito e crédito”, revela a diretora de marketing. Mas nem tudo corre bem. “O método de pagamento Seqr não é rápido, já que obriga a vários passos do próprio sistema Seqr que nem sempre é aceite na primeira tentativa. No caso do MB Way, é um método mais simples, mais user friendly, mas mesmo assim a adesão ainda é pequena por parte dos clientes”, conta Stilwell. Nos primeiros oito meses de 2016, a Seqr representou 1,5% de todos os pagamentos na Starfoods e o MB Way 1%.

A aplicação Seqr não é usada apenas para pagamentos em lojas físicas e na Internet. Também é possível fazer transferências gratuitas entre utilizadores e usar a aplicação como uma caixa registadora que gera códigos QR para os clientes do utilizador fazerem pagamentos. “Posso vender bolas-de-berlim com isto”, garante o diretor da Seqr. No entanto, este não é o último trunfo de João Pedro Duarte.

A Seqr desenvolve diferentes soluções nos vários países em que trabalha, que, “mais tarde ou mais cedo, chegarão a Portugal”, conta João Pedro Duarte, que, além de Portugal, é responsável por Espanha, Itália e Malta. Por exemplo, têm contas de crédito na Finlândia e na Roménia. “Estamos associados a especialistas de crédito, em que o utilizador tem um saldo de crédito que pode usar através da aplicação Seqr”, explica o diretor.

Para já, João Pedro Duarte aponta o final de novembro ou o início de dezembro para lançar o que já têm em Inglaterra: contas pré-pagas. Isso quer dizer que irá entrar no território do Meo Wallet.

O Banco BPI lançou outra forma de pagar: o BPI Cash é um cartão pré-pago disfarçado de pulseira, que funciona com a tecnologia de proximidade. A emissão custa 13 euros e as anuidades 10,40 euros.

Imagem: Banco BPI.

Meo Wallet: uma carteira digital em mudança

Os utilizadores de serviços de pagamentos móveis precisam de duas coisas: um conta à ordem, eventualmente com um cartão bancário associado, e um telemóvel. Há um terceiro elemento que pode ser importante: acesso móvel à Internet, porque as aplicações comunicam através dessa rede. As últimas estatísticas da Anacom, a autoridade portuguesa das comunicações, mostram que pouco mais de metade da população já tem acesso de banca larga móvel.

A Portugal Telecom, ao lançar o Meo Wallet, aproveita naturalmente o perfil dos seus clientes de acesso à Internet. Aliás, a Meo é o maior fornecedor de banda larga móvel em Portugal com uma quota de mercado de 43%. Mesmo quem não tem um telemóvel de última geração pode fazer pagamentos através do Meo Wallet: há uma solução de pagamento por mensagem de texto (SMS).

O Meo Wallet é uma carteira digital: os utilizadores têm de a carregar com dinheiro através de uma transferência bancária, de uma referência Multibanco ou do cartão bancário. Primeiro é preciso criar uma conta pessoal e instalar a aplicação (se o utilizador não planear usar apenas o pagamento por SMS, que não exige a aplicação). O Meo Wallet está disponível na App Store e na Google Play. Depois é preciso fazer o carregamento de saldo. É possível também associar o cartão bancário, à semelhança do MB Way. Na hora de pagar, além da opção de SMS, é possível usar um código QR ou a tecnologia de proximidade.

Meo Wallet tem custos

Mostrar Esconder

Embora o carregamento do saldo através de transferência bancária seja gratuito, quem usar uma referência Multibanco ou cartão bancário para aumentar o saldo do Meo Wallet paga 1% à PT Pay, a instituição de pagamento da PT. Quem quiser transferir o saldo do Meo Wallet para a conta bancária tem uma despesa de 2% do montante, segundo o preçário. Os clientes que não mexerem na carteira durante um ano são notificados para levantarem o saldo no prazo de seis meses. Após esse prazo, a PT Pay pode cobrar uma comissão de inatividade de dez euros por trimestre.

O processo do Meo Wallet usa vários esquemas de pagamento, incluindo Multibanco, Visa e MasterCard, e, em 2017, deverão ser integrados outros, segundo fonte oficial da Portugal Telecom. “A PT tem reforçado o seu foco estratégico para o mundo online, endereçando pontual e taticamente as oportunidades no mundo físico”, acrescenta. “De notar que, nestes últimos 12 meses, foi registado um crescimento exponencial nesta área, mantendo-se para o futuro as perspetivas de crescimento.”

“A oferta para consumidores está a ser reavaliada em conformidade com a evolução das necessidades efetivas do mercado e de forma articulada com o nosso ecossistema de parceiros”, revela fonte oficial da PT. Deverá haver novidades em breve.

Segurança é ponto assente

Quando, em 2015, os inquiridores ao serviço do Banco de Portugal perguntaram a clientes bancários quais as características mais valorizadas na escolha de um instrumento de pagamento, “segurança” foi a palavra mais ouvida. A segurança foi um dos cinco principais atributos para 89% dos inquiridos. Os responsáveis das aplicações móveis de pagamentos garantem que também têm a segurança no topo dos seus cuidados.

Para começar, as entidades que controlam os novos meios de pagamento são supervisionadas por autoridades monetárias: a SIBS, do MB Way, e a PT Pay, do Meo Wallet, são acompanhadas pelo Banco de Portugal, enquanto a Seamless Remittance, que processa os pagamentos Seqr, é supervisionada na Suécia e tem uma autorização de livre prestação de serviços em Portugal.

O MB Way “tem as mesmas garantidas de segurança do Multibanco”, garante Maria Antónia Saldanha. “Tem inclusivamente fatias adicionais de segurança.” A diretora da SIBS explica que, no limite, os utilizadores podem ficar protegidos com três camadas de códigos de acesso à aplicação: o do telemóvel, o da aplicação e o das operações.

João Pedro Duarte, da Seqr, explica que a aplicação fica associado ao cartão telefónico dentro de telemóvel na altura do registo. “Se tirar o cartão SIM, a app não funciona. Seria preciso fazer outro registo”, esclarece.

A segurança não é apenas importante para os consumidores. Os comerciantes também podem beneficiar com uma queda potencial do uso do numerário. “A principal vantagem da existência de vários meios de pagamento é, para o consumidor, a conveniência e, para o retalhista, a segurança acrescida”, confirma fonte oficial da Jerónimo Martins, que controla o Pingo Doce, bem como o Recheio, o líder português no retalho por grosso.

Pagamentos móveis estão na moda

Não mergulhe imediatamente numa aplicação de pagamentos móveis. Avalie as vantagens e, em especial, os riscos. O maior é, talvez, a fraca expansão nas lojas físicas.

Em fevereiro de 2015, a Caixa Geral de Depósitos anunciou o projeto-piloto Caixa Change, “a primeira aplicação bancária que permite realizar pagamentos através de um smartphone em comerciantes e máquinas de vending”. A fase de testes estava restrita aos retalhistas e aos funcionários do banco dentro do edifício-sede, na Avenida João XXI, em Lisboa. A CGD planeava a disponibilização do Caixa Change a todos os clientes durante o ano de 2015. Hoje, a aplicação ainda pode ser descarregada na App Store e na Google Play, mas continua em fase experimental.

Em alguns aspectos, o Caixa Change era semelhante ao Porta Moedas Multibanco, que, quando nasceu nos finais de 1994, era uma nova forma de fazer pagamentos de baixo valor. Este cartão bancário acabou por ser descontinuado dez anos depois de ser criado pela SIBS, por “manifesta inviabilidade económica”.

As entidades promotoras dos novos pagamentos móveis estão a fazer elevados investimentos, muitas vezes sem retorno à vista. “Temos prejuízos por causa dos nossos incentivos”, confessa João Pedro Duarte, diretor da Seqr, acrescentando que, como é um negócio multinacional, as perdas em algumas nações são compensadas por receitas noutras zonas geográficas.

A PT Pay, a subsidiária da Portugal Telecom que processa os pagamentos do Meo Wallet, teve prejuízos de quase 4,5 milhões de euros no biénio de 2014 a 2015. A casa-mãe teve de injetar 3,5 milhões de euros no final de 2015 para manter os rácios de capital exigidos pelo Banco de Portugal. Garantiu ainda poder injetar até mais 3 milhões de euros durante o ano de 2016, se fosse necessário.

“O sistema Seqr (...) não correspondeu às expectativas.”
Vítor Oliveira, diretor financeiro da McDonald's Portugal

Os consumidores também podem ser levados a aderir a uma aplicação porque o seu comerciante habitual oferece essa opção de pagamento. Todavia, não há garantia que a disponibilidade seja eterna. “O sistema Seqr esteve disponível durante aproximadamente um ano, mas, dado que não correspondeu às expectativas, acabámos por deixar de usar este sistema nos restaurantes McDonald’s em Portugal”, refere Vítor Oliveira, diretor financeiro da cadeia de restaurantes. A McDonald’s está há dois anos a experimentar o MB Way – é uma opção de pagamento nos restaurantes nos centros comerciais Alegro Alfragide e Loures Shopping – e planeiam alargar a experiência. “Após os testes, e não sendo identificados impedimentos, contamos ter autorização por parte da SIBS para implementar nos restaurantes que assim desejem fazê-lo”, revela Vítor Oliveira.

Os próximos meses serão ricos em novidades nas várias aplicações de pagamentos móveis, mas não se deixe levar apenas pela moda. A SIBS, por exemplo, revelou ao Observador que, no primeiro trimestre de 2017, será possível fazer levantamentos nos caixas Multibanco usando apenas a aplicação MB Way. Mas não se esqueça daquilo que disse Paddy Cosgrave, o líder da Web Summit, logo no primeiro dia da conferência tecnológica em Lisboa: “É um erro achar que toda a tecnologia é boa. Na melhor das hipóteses é neutra.”

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.