Rui Patrício

Continua no Sporting, onde entrou para o top-10 dos jogadores com mais encontros oficiais pelos leões, já tem uma estátua de seis metros numa rotunda em Leiria, foi pai em agosto de um rapaz (Pedro) e espera agora uma menina. Foi o melhor guardião do Euro e ficou em 12.º na votação para melhor jogador de 2016.

Getty Images

Anthony Lopes

Resiste no Ol. Lyon mas teve uma época atribulada: levou com um petardo da claque do Metz, foi castigado por tapar o símbolo do rival Saint-Étienne numa camisola da Taça de França, saiu agredido por adeptos do Bastia após uma invasão de campo e pediu dispensa da Taça das Confederações por razões de índole pessoal.

MIGUEL A. LOPES/EPA

Eduardo

No mesmo dia em que Portugal se sagrava campeão de futebol, a mulher de Eduardo, Jéssica Augusto, conquistava o bronze na meia maratona do Europeu. Este último ano não foi o melhor para ambos: o guardião trocou o Dínamo Zagreb pelo Chelsea mas nunca jogou, ao passo que a atleta continua à procura da melhor forma.

MIGUEL MEDINA/AFP/Getty Images

Cédric

Ganhou a titularidade a Vieirinha durante o Euro e, um ano depois, foi dos melhores na Taça das Confederações (estreou-se a marcar por Portugal). Continua ligado ao Southampton mas está referenciado por equipas como Barcelona ou Juventus. Agora está de férias em Mykonos, na Grécia, para onde foi também José Fonte.

FRANCISCO LEONG/AFP/Getty Images

Vieirinha

Em boa hora disse não ao convite para representar a Grécia, quando estava no PAOK: foi aí que conheceu com Fernando Santos, que depois o viria a chamar ao Euro como lateral direito. Mantém-se no Wolfsburgo e, embora só tenha feito 19 jogos esta época, fez o golo decisivo para a permanência da equipa na Bundesliga.

Julian Finney/Getty Images

Pepe

Aos 34 anos, continua a somar sucessos atrás de sucessos: na derradeira temporada, a décima e última pelo Real Madrid, ganhou a Liga e a Champions, tendo assinado pelo Besiktas um contrato milionário após a Taça das Confederações. Foi um dos melhores na Rússia, tendo marcado um golo decisivo para o terceiro lugar.

AFP/Getty Images

José Fonte

Acabou por ser uma das grandes surpresas do Euro, ao agarrar a titularidade de forma inesperada. Trocou o Southampton pelo West Ham a meio da última temporada (9,2 milhões de euros), sendo titular nos dois conjuntos da Premier League. Aos 33 anos, foi à Taça das Confederações e está agora de férias em Mykonos.

Getty Images

Bruno Alves

Pouco antes do Euro, trocou os turcos do Fenerbahçe pelos italianos do Cagliari mas, um ano depois, já está no Glasgow Rangers. Fez um total de 36 jogos na Serie A (com um golo) e foi chamado à Taça das Confederações. A gozar férias, encanta os escoceses com os golos que marca de pontapé de bicicleta… na praia.

Getty Images

Ricardo Carvalho

“Bem tenho saudades de Ricardo Carvalho”, confidenciou Fernando Santos durante a Taça das Confederações. Aos 39 anos, saiu do Mónaco após o Europeu, esteve uns meses sem jogar mas ainda assinou contrato com os chineses Shanghai SIPG, onde continua a destacar-se. Foi um dos nomes “apanhados” no Football Leaks.

Michael Steele/Getty Images

Raphäel Guerreiro

A vida corre bem ao lateral de 23 anos nascido em França, não fosse esta recente lesão que o retirou cedo da Taça das Confederações: após vencer o Euro, teve um ano de estreia no B. Dortmund muito interessante (custou 12 milhões, fez 35 jogos e sete golos) e despertou a cobiça de alguns grandes clubes como o PSG.

AFP/Getty Images

Eliseu

Tinha o futuro meio incerto após o Europeu mas, passado um ano, continua na crista da onda: sagrou-se campeão pelo Benfica numa época onde agarrou a lateral esquerda pela longa lesão de Grimaldo, foi chamado à Taça das Confederações e prepara-se para acelerar na sua motoreta mais uma época na Luz aos 33 anos.

Laurence Griffiths/Getty Images

Danilo

Pensava-se que poderia sair após o Europeu mas não saiu. Pensava-se que já estaria vendido antes da Taça das Confederações mas não estava. E agora pensa-se que, um ano depois, vai continuar no FC Porto. Teve (mais) uma época boa, parecendo fazer despertar cada vez mais a sua preponderância nas bolas paradas.

Alex Livesey/Getty Images

William Carvalho

No news, good news? Depende sempre da perspetiva, mas no caso de William foi isto que se passou durante um ano: continua como titular na Seleção (como aconteceu na Taça das Confederações), indiscutível no Sporting e alvo de cobiça de clubes ingleses. Será desta que, aos 25 anos, dá o salto para a Premier League?

Getty Images

João Moutinho

Fez mais uma temporada ‘à Moutinho’, com um total de 47 jogos (três golos) no Mónaco de Leonardo Jardim, que foi campeão de França e chegou às meias-finais da Champions. O médio foi assim chamado também para a Taça das Confederações, mas, com apenas mais um ano de contrato, pode sair já este Verão.

Getty Images

Adrien Silva

Adrien trocou de clube: entrou para o dos casados. De resto, esteve com um pé fora do Sporting em agosto mas acabou por ficar (sem perder a braçadeira), mantém o seu restaurante italiano, foi chamado à Taça das Confederações e, um pouco como William, está de novo na mira de clubes sobretudo da Premier League.

AFP/Getty Images

Renato Sanches

Após uma grande temporada no Benfica, que lhe valeu a ida para o Bayern por 35 milhões de euros (mais objetivos), não teve um papel tão preponderante em Munique, onde alinhou apenas em metade dos jogos da Bundesliga. Foi ao Europeu Sub-21 mas mantém a popularidade em alta, como se viu no recente NOS Alive.

AFP/Getty Images

André Gomes

Foi uma das grandes transferências pós-Europeu, rumando do Valencia para o Barcelona por 35 milhões de euros (mais objetivos). Foi um dos principais alvos de uma temporada menos conseguida dos catalães, mas contribuiu de forma decisiva para a conquista da Taça de Espanha. Esteve também na Taça das Confederações.

AFP/Getty Images

João Mário

Se as transferências de Renato Sanches e André Gomes foram grandes, a de João Mário foi a maior: os 40 milhões pagos pelo Inter ao Sporting transformaram-no no jogador português mais valioso a sair da Primeira Liga. No entanto, as coisas não correram bem em Milão e falhou a Taça das Confederações por lesão.

Getty Images

Rafa

Foi até à última mas, a pouco tempo do fecho do mercado de 2016, saiu de Braga para o Benfica por 16,4 milhões de euros. Não conseguiu ser aposta regular nos encarnados nesta primeira época na Luz, embora tenha sido lançado em alguns dos jogos mais importantes. Sagrou-se campeão mas perdeu o comboio da Seleção.

AFP/Getty Images

Quaresma

Aproveitou as férias após o Europeu para baptizar dois filhos, antes de regressar à Turquia, onde foi peça importante para a conquista do Campeonato pelo Besiktas. Continua a merecer a confiança de Fernando Santos na Seleção, tendo marcado presença na Taça das Confederações, onde fez o primeiro golo com o México.

AFP/Getty Images

Nani

Jogando na frente com Ronaldo, Nani revelou veia goleadora no Euro e acabou por trocar os turcos do Fenerbahçe pelos espanhóis do Valencia, a troco de 8,5 milhões de euros. No entanto, acabou por não conseguir fugir ao início de época desastroso da equipa, que se prolongou até à Taça das Confederações.

AFP/Getty Images

Cristiano Ronaldo

Melhor era impossível: após uma temporada de sonho em 2016, repetiu a dose com a conquista da Liga, da Champions e do Mundial de Clubes, além de ter conquistado mais uma Bola de Ouro. Fora dos relvados, foi pai dos gémeos Mateo e Eva e acabou acusado de fraude pelo Fisco espanhol. Esteve ainda na Confederações.

AFP/Getty Images

Éder

O golo na final colocou-o no patamar de herói nacional. Fartou-se de dar entrevistas, sempre num estilo descontraído, mas foi mal recebido no regresso ao Lille porque os franceses não gostaram da “traição”. Ainda assim, fez sete golos em 37 jogos oficiais. Não foi à Taça das Confederações e aproveitou para casar.

AFP/Getty Images