Quem é?

Chama-se Francisco Henriques, tem 22 anos (feitos a 21 de novembro) e, ao lado da portuguesa Maria Clara, é um dos nomes mais promissores da moda nacional. É modelo apenas há três anos mas já desfilou para marcas reconhecidas como Emporio Armani, Balmain e Hermès.

2005

A infância

Kiko, como lhe chamam os amigos, viveu em Queluz de Baixo até aos 11 anos. Na escola, contava os minutos para jogar à bola nos intervalos. “Quando era mais novo o meu sonho sempre foi ser futebolista, só pensava em jogar futebol”, diz ao Observador. “Parecia que não havia mais profissões.”

2014

O começo

Nove anos depois, o sonho de ser modelo aconteceu por acaso. “Alguns familiares e amigos disseram para me inscrever numa agência. Tanto insistiram que acabei por fazê-lo na brincadeira”, conta Francisco Henriques entre risos. Concorreu ao casting Fresh Faces, não venceu mas acabou agenciado na Central Models.

Jeff Marano Photography

O primeiro catálogo

A 10 de julho de 2014, Francisco Henriques fotografou o seu primeiro trabalho: o catálogo de regresso às aulas da SportZone ao lado dos colegas Diogo Filipe e Rafael Marques. “Fiquei super contente, ansioso e nervoso ao mesmo tempo”, diz. Daí surgiu a oportunidade de participar no catálogo da Mo de outono/inverno.

O primeiro desfile

Três meses depois, Francisco Henriques pisou, pela primeira vez, a passerelle do Portugal Fashion e marcou presença nos desfiles de Mafalda Fonseca, Estelita Mendonça, Hugo Costa, Concreto, Miguel Vieira e Dielmar. “E foi aí que tudo começou: estudava, jogava futebol e dizia que era modelo”, brinca o manequim.

Portugal Fashion

2015

A primeira semana de moda nacional completa

Seguiram-se trabalhos para Clayton e Fucking Young! antes de marcar presença na ModaLisboa e Portugal Fashion. “Quando era criança, o meu pai levou-me uma vez a ver os desfiles da ModaLisboa e achei uma certa graça. O que é engraçado no meio desta história é que passei de espectador a manequim”.

Fábio Caetano @Trend me too

A mudança de visual

Quase sem dar por isso, o mês de abril de 2015 trouxe mudanças. “Deixei crescer o cabelo por acaso e os meus amigos/clientes elogiavam bastante”, diz Kiko. “Eu e a agência percebemos que poderia ser uma mais valia pois não há muita gente com o cabelo encaracolado.” Hoje, os caracóis já são a sua imagem de marca.

A primeira capa

Os caracóis valeram-lhe uma capa da revista DIF. Não faltou muito tempo até assinar contratos com agências de modelos em Espanha, Milão, Paris, Nova Iorque, Londres, Hamburgo e Estocolmo. Pelo caminho, terminou o secundário na área de Economia e começou o curso de Exercício Físico na Universidade Lusófona.

DIF

2016

Os percalços pelo caminho

“Em 2016 decidi parar os estudos e o futebol para tentar alguma coisa neste mundo da moda”, confessa Francisco Henriques. Viajou para a Semana de Moda de Milão mas não participou em nenhum desfile. “Não me correu bem porque eu não me sentia tão à vontade e confiante como me sinto nos dias de hoje”, diz.

DSECTION Magazine

O look descontraído

A par dos caracóis e olhos castanhos, Francisco Henriques distingue-se pelo seu ar tanto descontraído como rebelde. Com 1,88 metros de altura, os traços esculturais garantem-lhe um lugar reservado na indústria da moda e a gratidão marca a sua ética de trabalho. “Gosto do que faço. Sou um rapaz feliz e sortudo.”

O apoio da família

De futebolista amador a modelo, Francisco Henriques sempre contou com o apoio da família com a qual partilha constantemente fotografias nas redes sociais — do irmão à avó. “O que me custa um bocadinho é viajar sozinho e não ter a família e amigos por perto. Mas tudo se resolve com as tecnologias”, desabafa Kiko.

Instagram

A persistência

Depois de Milão, continuou a seguir uma alimentação equilibrada e um estilo de vida saudável. “Uma coisa que eu aprendi foi a não desistir e sabia que ia voltar a ter mais oportunidades para mostrar o meu trabalho”, conta Kiko em entrevista. “Isso aconteceu e as coisas começaram a correr melhor.”

Ricardo Santos & Joel Alves

O reconhecimento nacional

Entre um editorial para a PEPLVM Magazine e lookbooks para marcas como Dsquared2, Salsa, Tiffosi e Quebramar, o nome Francisco Henriques começou a ser lentamente reconhecido em Portugal. Trabalhos que levaram a imprensa nacional a considerá-lo “um dos nomes mais promissores da nova geração de modelos”.

Tommy Hilfiger

2017

O look 25 (e 62) em Emporio Armani

Pela oportunidade de carreira, Francisco Henriques passou a estar mais vezes em Nova Iorque e a viajar para a Europa em trabalho. Em janeiro, voltou à Semana de Moda de Milão para desfilar para uma das marcas mais conceituadas do mundo: Emporio Armani. “Fiquei muito feliz”, confessa.

AFP/Getty Images

A estreia em Balmain (e Hermès)

Em Paris, desfilou para Balmain e Hermès ao lado do amigo Fábio Tavares. “Fico super contente quando os portugueses têm sucesso no estrangeiro”, desabafa Francisco Henriques. Mas é a sua personalidade divertida que o distingue dos colegas. “Sou um rapaz simples, desenrascado e engraçado (às vezes até demais).”

Getty Images

O melhor modelo masculino

Aos 22 anos, foi nomeado para o Globo de Ouro de melhor modelo masculino ao lado dos colegas Fábio Tavares, Luis Borges e Fernando Cabral. “Foi o fruto do meu trabalho, do esforço do meu ano. Fiquei contentíssimo quando anunciaram o meu nome, foi uma sensação inexplicável”, diz, referindo-se à gala de 21 maio.

André Marques/Observador

2018

O futuro

“No dia de amanhã, quero ter o meu próprio projeto relacionado com o desporto”, revela Francisco. Por agora, fica a certeza de que o trabalho mais marcante ainda está para vir. “Tenho alguns objetivos mas preocupo-me em estar bem no dia-a-dia, ser dedicado e viver um dia de cada vez. Torna as coisas mais fáceis.”

Tommy Hilfiger