Olá

835kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

O Xiaomi 12 Pro conta com um grande carregador de 120 watts para poder carregar rapidamente o aparelho
i

O Xiaomi 12 Pro conta com um grande carregador de 120 watts para poder carregar rapidamente o aparelho

MANUEL PESTANA MACHADO/OBSERVADOR

O Xiaomi 12 Pro conta com um grande carregador de 120 watts para poder carregar rapidamente o aparelho

MANUEL PESTANA MACHADO/OBSERVADOR

Xiaomi 12 Pro. Este telemóvel vai dos zero aos 100 (de bateria) em 24 minutos? Fizemos o teste

Analisámos o novo smartphone da Xiaomi, o 12 Pro. Atualmente, é um dos dispositivos mais potentes. Além disso, e com um volumoso carregador, promete bateria no máximo em poucos minutos. É verdade?

O Xiaomi 12 Pro tem um twist: carrega tão rápido que nem meia hora é preciso — bastam 24 minutos, diz a marca — para a bateria ficar completamente carregada. É verdade? Não, mas, segundo o teste do Observador, o resultado não fica muito longe do prometido.

[Abaixo, pode ver o vídeo do teste realizado pelo Observador]

Antes do teste, é preciso conhecer o smartphone que tem estas promessas de carregamento ultra rápido. O Xiaomi 12 Pro é o topo de gama da fabricante chinesa que ocupou no mercado o lugar que era da Huawei. Por isso, concorre agora com os gigantes tecnológicos Apple e Samsung, estando em terceiro lugar na lista de maiores vendedores mundiais.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

À semelhança de outros equipamentos de topo, este telemóvel — que vai ser lançado no início de abril — traz tudo aquilo que se espera de um equipamento destes: um processador de última geração; uma potente câmara fotográfica com várias lentes (três); e um ecrã com uma definição cheia de pixeis e letras (o ecrã de 6,7 polegadas designa-se de WQHD+, o que significa que esta alta definição tem bastante nitidez).

À semelhança de outros modelos de telemóveis da marca, é também na bateria que este smartphone se quer destacar — a Xiaomi tem feito uma forte campanha para se afirmar como a empresa que tem os dispositivos que aguentam mais tempo ligados e que carregam mais rapidamente. Para isso, o Xiaomi 12 Pro conta com um volumoso carregador — para ter uma ideia do tamanho, parece o carregador de um computador portátil — de 120 watts (cerca de 10 a 20 vezes mais do que os carregadores comuns que encontramos no mercado).

Xiaomi divulga smartphone que carrega em 17 minutos

Mas mesmo sendo um aparelho de carregamento fora do comum e o telemóvel poder ser ligado a carregadores tradicionais, ao contrário da Apple e da Samsung o carregador vem incluído com o smartphone, não sendo, por isso, preciso comprá-lo à parte.

De acordo com a Xiaomi, o 12 Pro pode ter a bateria carregada “até 100%” em apenas 24 minutos no modo padrão (o que utilizámos neste teste). Há ainda um modo boost especial que, diz a empresa, permite carregar o dispositivo de forma ainda mais rápida: em 18 minutos. Quanto a este último modo, há, no entanto, um aviso da marca: o telemóvel pode ficar “quente”.

A promessa da Xiaomi é que bastam 24 minutos para o smartphone carregar completamente

Depois de levarmos a bateria a apenas 1% de autonomia — ou “14 minutos restantes”, como nos foi informado pelo sistema do aparelho — começámos o teste. É importante dizer que não foi uma tarefa fácil colocá-lo com tão pouca autonomia porque, não mexendo no telemóvel durante três dias e deixando-o em modo stand-by (apenas as notificações base e o wi-fi estavam ligados) com cerca de 50% de autonomia, a bateria ficou ainda com 22%, o que surpreendeu já que, mesmo com pouca utilização, esperávamos que estivesse, por essa altura, sem bateria.

O que significa que levar o dispositivo até ao 1% de autonomia implicou deixá-lo a correr um vídeo com definição 4K no YouTube com a luminosidade no máximo durante duas horas, demonstrando que a Xiaomi garante, mesmo, uma autonomia do dispositivo grande. Mas, lá conseguimos o 1% que queríamos para o teste.

O carregador do Xiaomi 12 Pro tem uma entrada USB-A (a tradicional) para ligar ao carregador e uma entrada USB-C para conectar-se ao dispositivo

MANUEL PESTANA MACHADO/OBSERVADOR

Depois, foi a parte fácil. Com câmara montada e temporizador ao lado, cronometrámos. Ligámos o carregador a uma tomada e deixámos passar 24 minutos. Pelo meio fomos confirmando se tudo estava a funcionar e verificando como é que o carregamento evoluía. Aos 20 minutos, a bateria ainda estava a 48%.

No final, ainda demos alguns segundos de compensação porque no arranque do teste o temporizador não começou a contar ao mesmo tempo em que colocámos o carregador na tomada. Porém, chegados aos 24 minutos, comprovámos aquilo que já esperávamos: não foi tempo suficiente para chegar aos 100. Estava apenas a 78%. Foram precisos mais cerca de nove minutos até vermos a bateria completa. Foi mais tempo do que o prometido? Foi. Ficámos surpreendidos? Carregamento padrão até 100% em meia hora é algo que ainda não tínhamos visto, e só por isso surpreendeu.

O carregador da Xiaomi de 120 Watts em comparação com um carregador de carregamento rápido de 15Watts

O Xiaomi 12 Pro vale a pena? Se quer um topo de gama, sim, mas há mais coisas no mercado por este valor

O teste dos 24 minutos pode ter falhado, mas isso não quer dizer que o Xiaomi 12 Pro não seja um smartphone topo de gama que surpreende. Mais uma vez a empresa chinesa mostra que há telemóveis com sistema operativo Android que podem fazer frente a quem continua a liderar o mercado com este software, a Samsung, e não olhar para outras marcas, como a Apple.

Além da autonomia da bateria, os pontos fortes do Xiaomi 12 Pro são a câmara fotográfica traseira e o processador. Quanto à câmara, tem tudo aquilo que se esperaria de um smartphone que se intitula como “pro”: uma lente tripla de 50 megapíxeis que usa um sensor Sony IMX707 e pode fazer vídeo 4K até 60 frames por segundo e filmar em 8K (até 24 frames por segundo). O que é que isto quer dizer? Na prática, que faz muito bem aquilo que todos estes equipamentos topo de gama fazem quando apresentam estas especificações de topo: filma e tira facilmente muito boas fotografias com bastante qualidade em qualquer tipo de ambiente — haja muita ou pouca luz.

Quanto ao processamento, este equipamento conta com o Snapdragon 8 Gen 1, que a empresa diz ser “o processador mobile mais avançado da Qualcomm”. Em poucas palavras, e tendo como base as aplicações que utilizámos com o telemóvel, comprovámos: é rápido, bem rápido. Aliado a esta rapidez está a taxa de atualização de 120 Hz do ecrã principal. Isto significa que o movimento das imagens é mais fluído o que, com este processador, faz com que a experiência ao mexer neste smartphone seja melhor do que a de outros smartphones com esta característica que também nos surpreenderam — caso do Galaxy Z Fold 3.

Por fim, é importante referir que o Xiaomi 12 Pro vai chegar ao mercado em duas versões: 8GB de memória RAM e 256GB de memória interna e 12GB de memória RAM 256GB de memória interna. O preço? 1049,99 euros e 1099,99 euros, respetivamente. Ou seja, não é barato. Por este valor encontramos na concorrência equipamentos igualmente competentes. Carregam completamente em 30 minutos? Não, leva, pelo menos, o dobro (o Samsung S20 Ultra demora uma hora — e isso já surpreende). Porém, são igualmente competentes.

Para quem é então este smartphone? Para quem quer um telefone literalmente rápido. Rápido a carregar, rápido a tirar fotografias, rápido a mostrar imagens, rápido a processar o que for preciso. E nisso tudo surpreende, mesmo falhando por poucos minutos uma promessa de rapidez.

*O Xiaomi 12 Pro foi disponibilizado ao Observador pela Xiaomi Portugal para efeitos de análise.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia
Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Desde 0,18€/dia
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Desde 0,18€/dia
Em tempos de incerteza e mudanças rápidas, é essencial estar bem informado. Não deixe que as notícias passem ao seu lado – assine agora e tenha acesso ilimitado às histórias que moldam o nosso País.
Ver ofertas