“Esta é a Venezuela de 2021. Fica aí a dica para 2022.” A frase tem sido usada para descrever um vídeo com perto de dois minutos e meio onde é possível ver ruas cheias de lixo e entulho e vários edifícios danificados ou destruídos — e que nos últimos meses ganhou grande popularidade nas redes sociais.

O curto vídeo, filmado na vertical, percorre um conjunto de ruas onde podem ser vistas pessoas em pranto, lixo pelo chão e vários edifícios destruídos. Várias placas visíveis nas imagens estão escritas em espanhol — a mesma língua que se ouve da parte de vários homens que comentam a cena.

Apesar de se tratar de uma publicação curta — apenas o vídeo e aquela breve frase —, não é difícil ver neste conteúdo uma posição política sobre a forte crise económica que se vive atualmente na Venezuela.

Liderado por Nicolás Maduro desde 2013, o regime socialista venezuelano vive tempos especialmente conturbados desde as eleições de 2018, quando a oposição (em maioria no Parlamento) recusou reconhecer a legitimidade da reeleição de Maduro e Juan Guaidó se proclamou presidente da Venezuela — tendo recebido o apoio de uma grande parte da comunidade internacional.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A crise económica e financeira que a Venezuela atravessa tem sido atribuída pelos opositores ao regime socialista de Maduro — e por Maduro aos empresários e às sanções impostas pelos EUA contra o país. Ao longo dos últimos três anos, têm-se multiplicado na Venezuela as imagens dramáticas que mostram prateleiras vazias nos supermercados e confrontos violentos no acesso a bens de primeira necessidade.

No início deste mês, o bolívar venezuelano foi desvalorizado brutalmente, tendo a taxa de conversão passado de 1 euro = 4,9 milhões de bolívares para apenas 1 euro = 4,9 bolívares.

As imagens, que se tornaram virais nas redes sociais, estão a ser passadas como sendo representativas da crise venezuelana. No entanto, trata-se de um erro. Na verdade, o vídeo foi filmado na cidade de Cali, na Colômbia, onde em maio deste ano uma manifestação integrada numa greve nacional resultou num grande incêndio no primeiro piso do Hotel La Luna (que é visível nas imagens).

À esquerda, a imagem que o vídeo diz corresponder à Venezuela. À direita, uma imagem do Google Maps que mostra o mesmo lugar, na Colômbia.

Como a agência brasileira Lupa explica, basta recorrer ao Google Maps para encontrar o hotel e toda a rua mostrada no vídeo. A imprensa colombiana também deu conta do incêndio no hotel, que ocorreu durante protestos violentos numa greve nacional contra a reforma tributária na Colômbia — que, na altura, teve eco também no Observador.

Conclusão

O vídeo que tem sido partilhado várias vezes nas redes sociais com a legenda “Esta é a Venezuela de 2021. Fica aí a dica para 2022.” não foi filmado na Venezuela, mas na Colômbia, como é possível comprovar por diferentes fontes. Trata-se de uma informação objetivamente errada.

Assim, de acordo com o sistema de classificação do Observador, este conteúdo é:

ERRADO

No sistema de classificação do Facebook este conteúdo é:

FALSO: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

Nota: este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact checking com o Facebook.

IFCN Badge