Extremismo

A caixa de Pandora

Autor
  • Luís Filipe Torgal
336

Não é preciso ser historiador, mas é necessário saber História, para compreender que a humanidade está prestes a colidir de novo com um icebergue. Os sinais não enganam.

As democracias mundiais, o projeto europeu e a paz mundial estão a implodir a uma velocidade de cruzeiro. A metáfora dilacerante, outrora criada por Eric Hobsbawm, alusiva à agonia da democracia alemã volta a aplicar-se: «Estávamos no Titanic, e todos sabiam que estava para bater no icebergue». Todos sabiam e ninguém evitou a tragédia: a Alemanha foi subjugada pelo nazismo; depois vieram a II Guerra Mundial, a Shoah, e as bombas atómicas despejadas sobre Hiroshima e Nagasaki. 

Não é preciso ser historiador, mas é necessário saber História, para compreender que a humanidade está prestes a colidir de novo com um icebergue. Os sinais não enganam. O efeito Trump. O brexit. O internacionalismo populista. O ódio aos refugiados. A emergência dos nacionalismos. O saudosismo dos fascismos. O colapso ecológico. A cupidez dos apparatchiks de muitos partidos democráticos, que perderam a consciência ética e social e já não identificam a política como um serviço cívico. A própria palavra cidadania foi usurpada pela novilíngua do capitalismo financeiro, banalizada e esvaziada do seu significado. 

As massas populares vivem absortas nas redes sociais e bestializadas pela «civilização do espetáculo». Estão alienadas, mergulhadas no reino do voyeurismo, do hedonismo e do niilismo. Habitam no universo das artes frívolas e efémeras, da literatura light, das rixas de «futebolês», dos desfiles dos estilistas e top-models, dos acepipes dos cheffs, da moral dos diretores executivos (CEO), das lições dos tudólogos, das alarvidades dos reality shows e da evasão dos blockbusters

Urge transpor esta encruzilhada, antes que seja demasiado tarde. Antes que deixe de existir Pão no Circo. Antes que uma elite de hooligans populistas imponha ao mundo uma distopia totalitária. Ou antes que «os pobres não tenham mais nada para comer a não ser os ricos». 

Importa humanizar a humanidade, inocular ESPERANÇA na humanidade. Rumar contra a maré e reinventar a democracia. Reanimar os serviços públicos: saúde, educação, justiça, habitação. Educar sem falácias e burocracias. Dispensar os políticos, «pedagogos de gabinete» e comissários políticos que persistem em decretar o «eduquês» e trouxeram o caos às escolas. Revalorizar a História, a Geografia, a Filosofia. Voltar a estudar a história do pensamento político e filosófico. Em Auschwitz, pode ler-se a frase lapidar de George Santayana: «Aqueles que não recordam o passado estão condenados a repeti-lo». Revalorizar a Ciência, as Artes e as Letras. 

Importa nunca contemporizar com líderes e partidos populistas e justicialistas. Tolher os nacionalismos, porque os «nacionalismos são a guerra». Não desistir do projeto europeu, pois, apesar de todos os seus defeitos, não devemos ignorar que a Europa continua a ser o local do mundo onde melhor se vive e nenhum país europeu consegue impor-se sozinho no mundo global.

Professor de História do Agrupamento de Escolas de Oliveira do Hospital

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ministério da Educação

O regresso do «eduquês»

Luís Filipe Torgal
837

O ardiloso engenho curricular "Autonomia e Flexibilidade Escolar" tornou a escola num processo kafkiano e numa Torre de Babel onde ninguém se entende, com instrumentos opacos, absurdos e inexequíveis.

Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Educação

A escola pública e o "homem-massa"

Luís Filipe Torgal
290

O sucesso escolar vai crescer, a olhos vistos, graças a métodos pedagógicos inconsequentes, provas de aferição e exames levianos e critérios de avaliação que tornam os alunos idiotas inimputáveis.

Extremismo

Os fascistas da saúde /premium

João Marques de Almeida
2.671

O Bloco e o PCP (e o PAN para lá caminha) são os fascistas da saúde em Portugal. Têm dois objectivos: terminar com a iniciativa privada na saúde, e acabar com a liberdade de escolha dos cidadãos.

Eleições Europeias

Populismo e eleições europeias

Ricardo Pinheiro Alves

O crescimento do populismo xenófobo é alimentado pelo aumento do populismo igualitário, conduzindo a uma progressiva radicalização da vida pública como se observa actualmente nos países desenvolvidos.

Economia

Produtividade: a culpa é da mão de obra?

Fernando Pinto Santos

De quem é a culpa da baixa produtividade do trabalho em Portugal? Da mão de obra? Sim, mas é só um dos fatores. Falta também maior eficiência dos fatores produtivos e maior capacidade para criar valor

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)