Ciência

A medicina à procura da sua alma

Autor
  • Luis Teixeira

Os doentes estão assustados e frágeis. Vão aos “alternativos” à procura daquilo que não encontram nos médicos: empatia. Não querem um técnico que as examine e conserte como se conserta um automóvel.

Escrevi antes que as medicinas “alternativas” nos querem devolver simplesmente à medicina como ela era há duzentos anos, antes da revolução científica. Isto dito, é preciso perceber que as pessoas têm boas razões para recorrerem às “medicinas alternativas”. As pessoas não são tolas. Pensar isso é o erro de todos os iluminados. Não é necessário ser-se extraordinariamente competente numa certa área para ser-se capaz de identificar o que é o nosso interesse e lutar por ele. Cada pessoa sabe definir e procurar o seu próprio bem-estar. O paternalismo, nestas coisas, é tão deslocado como o desprezo.

As pessoas doentes estão assustadas e frágeis. Vão aos “alternativos” à procura daquilo que não encontram nos médicos: empatia. Não querem um técnico que as examine e conserte como se conserta um automóvel. Querem atenção e compreensão. Há estudos que mostram que a maior parte das queixas dos doentes não se dirigem à competência do médico, que eles nem sabem, de resto, avaliar. Queixam-se da distância, da frieza, da insensibilidade. É difícil para os médicos aceitar isto, porque estudam e esforçam-se imenso para serem competentes e eficazes e convivem diariamente com a angústia, a insegurança e o cansaço. Mas as pessoas precisam de mais do que competência técnica.

No passado, o povo preferia os curandeiros e “mezinheiros” aos “médicos de toga” das universidades: porque eram mais baratos mas, sobretudo, porque existiam — nos bairros populares, nas aldeias perdidas, em todos os lugares demasiado pobres para sustentarem um médico. Agora o Estado garante a presença do médico mas esse médico está pressionado e cada vez mais alienado pela exigência de cumprimento de objectivos cada vez mais exigentes e contraditórios entre si; pela necessidade constante de actualização; pelo puro esforço físico das longas horas de consulta ou de urgência.

Mas há outra razão para este desencanto do doente com o médico, mais funda e menos óbvia. Há falhas que não deviam existir, com ou sem cansaço. Dificuldade em comunicar com pessoas de culturas diferentes, sejam elas uma velhinha do Alentejo ou um imigrante cabo-verdiano. Incapacidade de falar com a mãe de uma criança que vai morrer ou com um doente que teve um AVC e está paraplégico.

É verdade que se não ensina humanidade como se ensina radiologia. Os médicos do século XIX e da primeira metade do século XX tinham uma cultura humanista que depois se perdeu. Infelizmente, não é possível recuperar essa formação, que tinha muito a ver com ambientes familiares e meios sociais que já não existem. Mas a ligação às pessoas e aos seus problemas não é uma questão de talento ou inclinação. É uma maneira de trabalhar. Aprende-se e treina-se.

Algumas faculdades de medicina ensaiam novas abordagens. Há quem estimule o voluntariado e ponha os alunos a colaborar em instituições de solidariedade social. Há quem crie disciplinas de medicina narrativa, em que se exploram a doença, a solidão e o medo da morte com a ajuda da literatura e das histórias que se contam e que se ouvem.

Não sei se vai funcionar. Para bem dos doentes — e dos médicos — espero que sim.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Aquecimento Global

Uma terra sem amos

Luis Teixeira

Confesso. Não tenho nada contra campanhas pelo ambiente mas tenho contra os movimentos de “jovens”. A última vez que o Ocidente conheceu grandes movimentos de jovens os resultados não foram brilhantes

Extremismo

Fascismo nunca mais!

Luis Teixeira
1.410

A nossa esquerda radical cultiva abundantemente traços claramente fascistas. O ódio à burguesia. O amor pelos movimentos de massas. A criminalização dos comportamentos. A defesa despudorada da censura

ADSE

A saúde é um negócio

Luis Teixeira
205

Não há nenhuma evidência de que impedir organizações privadas na saúde melhore os cuidados. Pelo contrário: o monopólio estatal traduz-se geralmente em iniquidade, desperdício e nepotismo.

Astrofísica

Buracos negros e a ciência de dados

Manuel Loureiro
175

Os métodos e os algoritmos da ciência de dados aplicados neste empreendimento fantástico são os mesmos que usamos quando pretendemos segmentar mercados, prever saldos bancários ou planear a produção.

Ciência

Carreiras e micro-ondas

Gonçalo Leite Velho
208

A verdade é que quem tem qualidade mantém todas as reservas sobre o rumo da política de Ciência em Portugal. É que o clientelismo e o nepotismo são apenas parte de um sistema mal desenhado.

Medicina

João Lobo Antunes /premium

Maria João Avillez

Porque é que aquele rapaz tão bonito, de olhar azul claro, um companheiro de trabalho tão curioso e atento aos outros, parecia por vezes taciturno e quase triste? “Estudava muito” dizia-se por lá.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)