Ciência

A medicina à procura da sua alma

Autor
  • Luis Teixeira

Os doentes estão assustados e frágeis. Vão aos “alternativos” à procura daquilo que não encontram nos médicos: empatia. Não querem um técnico que as examine e conserte como se conserta um automóvel.

Escrevi antes que as medicinas “alternativas” nos querem devolver simplesmente à medicina como ela era há duzentos anos, antes da revolução científica. Isto dito, é preciso perceber que as pessoas têm boas razões para recorrerem às “medicinas alternativas”. As pessoas não são tolas. Pensar isso é o erro de todos os iluminados. Não é necessário ser-se extraordinariamente competente numa certa área para ser-se capaz de identificar o que é o nosso interesse e lutar por ele. Cada pessoa sabe definir e procurar o seu próprio bem-estar. O paternalismo, nestas coisas, é tão deslocado como o desprezo.

As pessoas doentes estão assustadas e frágeis. Vão aos “alternativos” à procura daquilo que não encontram nos médicos: empatia. Não querem um técnico que as examine e conserte como se conserta um automóvel. Querem atenção e compreensão. Há estudos que mostram que a maior parte das queixas dos doentes não se dirigem à competência do médico, que eles nem sabem, de resto, avaliar. Queixam-se da distância, da frieza, da insensibilidade. É difícil para os médicos aceitar isto, porque estudam e esforçam-se imenso para serem competentes e eficazes e convivem diariamente com a angústia, a insegurança e o cansaço. Mas as pessoas precisam de mais do que competência técnica.

No passado, o povo preferia os curandeiros e “mezinheiros” aos “médicos de toga” das universidades: porque eram mais baratos mas, sobretudo, porque existiam — nos bairros populares, nas aldeias perdidas, em todos os lugares demasiado pobres para sustentarem um médico. Agora o Estado garante a presença do médico mas esse médico está pressionado e cada vez mais alienado pela exigência de cumprimento de objectivos cada vez mais exigentes e contraditórios entre si; pela necessidade constante de actualização; pelo puro esforço físico das longas horas de consulta ou de urgência.

Mas há outra razão para este desencanto do doente com o médico, mais funda e menos óbvia. Há falhas que não deviam existir, com ou sem cansaço. Dificuldade em comunicar com pessoas de culturas diferentes, sejam elas uma velhinha do Alentejo ou um imigrante cabo-verdiano. Incapacidade de falar com a mãe de uma criança que vai morrer ou com um doente que teve um AVC e está paraplégico.

É verdade que se não ensina humanidade como se ensina radiologia. Os médicos do século XIX e da primeira metade do século XX tinham uma cultura humanista que depois se perdeu. Infelizmente, não é possível recuperar essa formação, que tinha muito a ver com ambientes familiares e meios sociais que já não existem. Mas a ligação às pessoas e aos seus problemas não é uma questão de talento ou inclinação. É uma maneira de trabalhar. Aprende-se e treina-se.

Algumas faculdades de medicina ensaiam novas abordagens. Há quem estimule o voluntariado e ponha os alunos a colaborar em instituições de solidariedade social. Há quem crie disciplinas de medicina narrativa, em que se exploram a doença, a solidão e o medo da morte com a ajuda da literatura e das histórias que se contam e que se ouvem.

Não sei se vai funcionar. Para bem dos doentes — e dos médicos — espero que sim.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Assembleia Da República

Paridades

Luis Teixeira

Eu já decidi: o meu voto vai para o primeiro partido que apresente uma lista só de homens ou só de mulheres, em que metade deles (ou delas) se declare do género oposto para efeitos civis e políticos.

Brasil

Amazónia

Luis Teixeira

Bolsonaro merece muitas reservas, e a menor não será o apoio que os evangélicos, antes apoiantes do PT, agora lhe dão. Não é o caso quando critica a menorização dos índios por activistas e burocratas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)