Rádio Observador

Economia em dia com a CATÓLICA-LISBON

É possível conciliar tradição e inovação tecnológica? Lições do mundo da moda e do luxo…

Autor
  • Celine Abecassis-Moedas

O desenvolvimento da tecnologia e da digitalização são um desafio para inúmeros setores tradicionais. A análise do mundo da moda e do luxo mostram que é possível conciliar tradição e tecnologia!

Os setores da moda e do luxo parecem ser particularmente tradicionais, baseados em trabalho manual e intensivo. Ao mesmo tempo, se olharmos para trás, podemos ver que a tecnologia tem estado no coração da inovação na moda e no luxo há décadas. No século XX, e especificamente desde meados da década de 1960, a moda evoluiu do feito à medida para o pronto a vestir.

Este movimento de industrialização foi possível pelo desenvolvimento de máquinas e tecnologias e pela evolução dos modelos de negócio, que tornaram a moda num caso exemplar de inspiração para as melhores práticas de inovação. A Benetton foi a primeira a implementar um processo de diferenciação retardada, possível devido aos métodos tecnológicos sofisticados de fabrico. O modelo único da Zara também se baseia no uso intensivo da tecnologia para monitorizar vendas de produtos e rapidamente fabricar produtos para reabastecimento.

No século XXI, ocorreram desenvolvimentos tecnológicos adicionais em fases diferentes da cadeia de valor. Em termos de criação, as tecnologias de design simplificaram o processo e reduziram os prazos de entrega. Por exemplo, o design 3D permite uma melhor visualização, prazos de entrega mais curtos e menores custos de elaboração de protótipos. Estas tecnologias também permitiram que o cliente final seja envolvido na personalização dos seus próprios produtos (na Nike e na Adidas existe agora a personalização em massa do calçado). Em relação às tecnologias de fabrico, a impressão 3D está a ser usada por Iris van Herpen (em colaboração com o MIT Media Lab) para fazer vestidos com um visual futurista!

Por último, o comércio a retalho de moda e artigos de luxo evoluiu drasticamente, com novos modelos de negócio e intervenientes apenas possíveis por causa das tecnologias digitais. O Stitchfix é um serviço de styling que envia aos clientes caixas cheias de produtos recomendados que eles podem comprar ou devolver. Através de grandes volumes de dados e algoritmos, o Stitchfix melhora os produtos recomendados… e está agora a desenvolver os seus próprios produtos. A plataforma Farfetch dá às lojas uma janela para o mundo que não seria possível sem tecnologia! Outro exemplo notável é a Chic by Choice, que disponibiliza o aluguer de vestidos de noite, um novo modelo de negócio de artigos de luxo que abre novos mercados e clientes para os produtos de luxo.

Finalmente, atores totalmente novos estão a entrar no mercado, como é o caso da The Blonde Salad, da blogger Chiara Ferragni, que começou como influenciadora e hoje em dia está a ganhar um papel importante no retalho, com receitas superiores a 8 milhões de euros.

A moda e o luxo são uma inspiração para outras indústrias que ilustram que é possível mobilizar tecnologias para preservar e fortalecer a tradição, ao nível da criação e do design, do fabrico ou do retalho. Os outros setores devem olhar para estes desenvolvimentos fascinantes do mundo da moda e do luxo!

Professora Associada da Católica Lisbon School of Business & Economics

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)