Rádio Observador

CM Porto

O Matadouro da Democracia

Autor
  • António Pinto de Mesquita
1.528

O Tribunal de Contas admite que não gosta que um privado possa pagar 40 milhões de euros e ficar com o Matadouro em Campanhã durante 30 anos, mesmo que isso implique poupança para os contribuintes.

Hermenêutica é uma palavra com origem grega e significa a arte ou técnica de interpretar e explicar um texto ou discurso. O Matadouro em Campanhã, cedido a um privado por 30 anos, a troco de  40 milhões de euros que iriam entrar para os cofres do Estado, ficou preso num embrulho hermenêutico entre a Câmara Municipal do Porto e o Tribunal de Contas (TdC), que importa esclarecer para se perceber as repercussões e alcance desta decisão.

De forma simplista diga-se que a Câmara Municipal do Porto submeteu a exame do TdC a legalidade e o cabimento orçamental de um contrato para a reabilitação do Matadouro, gerador de despesa ou representativo de responsabilidades financeiras da Câmara.

A relevância da análise da legalidade do contrato é que se o contrato tiver determinada natureza aplica-se um conjunto de leis, se tiver outra aplica-se outro. A Câmara diz que o contrato tem determinada natureza, o TdC vem dizer que tem outra, pelo meio houve três pedidos de esclarecimento respondidos pela Câmara, mas que em nada mudaram a interpretação do TdC.

Por outro lado, subjacente à análise do cabimento orçamental, como o TdC por várias vezes refere, está uma análise do risco do contrato, risco para os cofres do Estado claro está. Nos seus pedidos de esclarecimento, o TdC formulou várias recomendações à Câmara, todas acatadas, resultando no risco de o contrato estar por exclusiva conta do privado vencedor do concurso. Não foi suficiente para o TdC.

Ao longo do acórdão o TdC repete que não faz juízos sobre conveniência ou oportunidade da decisão de contratação ou do modelo organizativo adotado. Não é verdade e toda a decisão é um juízo sobre precisamente isso. Uma infame nota de rodapé na página 108 do acórdão descortina o preconceito ideológico subjacente a esta decisão: “não tem sentido, por exemplo, considerar que a utilização de espaços próprios para fins de interesse públicos corresponde a perda de receita. Parâmetros que não obstam, sublinhe-se, a que, eventualmente o modelo adotado pudesse ser o mais adequado, (…)”. O TdC admite que não gosta nem do modelo organizativo adotado, nem do facto que um privado possa pagar 40 milhões de euros e ficar com o Matadouro durante 30 anos, mesmo que isso implique poupança para os contribuintes. Para o TdC, um edifício público tem de ser sempre público, doa a quem doer, independentemente da sua viabilidade económica.

O TdC, um órgão não eleito e que exerce a sua magistratura ao arrepio da separação de poderes, esconde assim o seu preconceito ideológico atrás da hermenêutica, de preciosismos jurídicos quanto à natureza do contrato, para chumbar uma um projeto dinamizador de uma freguesia que é historicamente a zona mais pobre da cidade do Porto, com importância nacional “semelhante à Expo 98”, conforme disse o Presidente da República.

Façamos um exercício e recuemos quase 30 anos. Imaginemos que o TdC chumbava a Expo 98 por entender que, finda a exposição, a zona do Parque das Nações teria de ser exclusivamente de gestão pública. Com quantos Estádios Municipais de Leiria dava para encher aquela zona?

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Obituário

O meu avô, o Sr. Embaixador

António Pinto de Mesquita
855

O avô Tão partiu aos 102 anos. Como diplomata, o Embaixador António Pinto de Mesquita deixa um legado enorme. Como avô, o seu legado será ainda maior, pelo exemplo de bondade, generosidade e dedicação

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)