Professores

Os sindicalistas e os cobardes /premium

Autor
123

No PS, preferiu-se iludir os professores. No CDS, fica-se pela superfície. E o PSD, oportunista, está a colar-se aos sindicatos. Ninguém arrisca o óbvio: é preciso reformar a avaliação dos professores

Os sindicatos de professores têm (alguma) razão na base das suas reivindicações: é legítimo exigir que, quando as carreiras na administração pública se descongelam, exista uma reposição gradual do seu posicionamento em termos de escalão e de remuneração. O governo também tem (alguma) razão quando explica que o equilíbrio das contas públicas não permite a satisfação das reivindicações sindicais. Ora, como não vai haver mais dinheiro tão cedo, este deixou de ser um problema conjuntural, tornando-se estrutural – as carreiras dos professores atingiram um ponto de insustentabilidade financeira para o Estado. E, portanto, o actual braço-de-ferro de posições inconciliáveis é infrutífero e está fundamentalmente errado: em vez de uma disputa de contas de mercearia, a resolução terá de passar por uma reforma da carreira dos professores, no sentido de garantir que as suas progressões sejam justas e sustentáveis para as contas públicas. O problema é que, no governo ou na oposição, este é o debate a que ninguém se atreve porque, da esquerda à direita, todos têm demasiado medo dos sindicatos.

O tema gera controvérsia, mas isso não é motivo para não ser abordado: a progressão na carreira dos professores é quási-automática e a sua avaliação de desempenho é pouco exigente (é raríssimo um professor não obter avaliação positiva). Isto traz duas consequências imediatas. A primeira é a que está a ser discutida: a pressão crescente na despesa do Estado quando uma grande parte dos professores dos quadros acumula muitos anos de carreira (é o caso hoje: cerca de um terço dos professores tem mais de 50 anos). A segunda é a que nunca se ouve nos debates partidários: não há diferenciação na progressão da carreira entre um bom professor e um professor menos bom. É, evidentemente, uma injustiça: o investimento público é aplicado sem critério de qualidade e abdica de recompensar o mérito dos melhores professores. Algo que também prejudica os alunos, pois a qualidade de um professor é preponderante para promover o sucesso escolar.

Há sempre quem alegue que o actual modelo de avaliação docente pode até não ser bom, mas que as alternativas são ainda piores. É falso. Sim, por exemplo, colocar o poder da avaliação num director de escola pode produzir injustiças voluntárias (favorecimento dos amigos) ou involuntárias (desconhecimento real da qualidade do trabalho de um professor). Mas existem alternativas muito fiáveis, algumas potenciadas por um exaustivo conjunto de indicadores sobre os desempenhos dos alunos e das escolas – por exemplo, a monitorização dos resultados dos alunos (notas internas e externas), a sua comparação regional, a sua comparação com resultados anteriores dos mesmos alunos, a sua ponderação socioeconómica. Ou seja, é hoje possível medir o impacto de um professor no percurso educativo dos seus alunos: se os alunos de um professor melhoram alguns valores, de forma sistemática e ano após ano, esse é um bom indicador da qualidade desse professor (sendo possível cruzar esses dados com outros indicadores de contexto regional ou socioeconómico). Dir-me-ão que nem estes indicadores são absolutamente fiáveis. Em rigor, nenhum o é. Mas há ainda mais alternativas. E todas são sem dúvida melhores do que a cegueira do critério da antiguidade.

O fundamental a fixar é que existem alternativas, medidas e reformas para a avaliação dos professores e para a sua progressão na carreira – mesmo olhando ao que se faz noutros países. Só que, tirando uma ou outra voz isolada, o tema não entra na ordem do dia. Pior: os partidos políticos ignoram-no olimpicamente. No PS e no governo, preferiu-se iludir os sindicatos e gerar falsas expectativas de que era possível pagar o que os sindicatos pedem. No CDS, fica-se pela superfície da discussão – a crítica elementar à actuação do governo. E, para além de seguir a mesma crítica, o PSD está, de forma oportunista, a colar-se aos sindicatos defendendo que, se houve uma promessa de resolução, o governo deve agora satisfazer as reivindicações dos professores. Entretanto, ninguém arrisca o óbvio: é preciso reformar a avaliação dos professores e alterar a organização da sua carreira. E ninguém o diz porquê? Porque há medo dos sindicatos e das consequências eleitorais de ser alvo das suas lutas.

O sucesso para este sindicalismo radicalizado é ter um país refém destes medos. Até quando? Hoje, o país precisava de partidos políticos reformistas que dissessem: sim, vamos propor um calendário realista para o descongelamento e a reposição possível das carreiras dos professores, mas em troca vamos garantir que o esforço desse investimento do Estado (e das famílias) se aplica num sistema mais justo, onde os melhores são recompensados e os alunos melhor servidos. Portugal precisa da coragem dos reformistas. E, no entanto, está cheio de cobardes.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo
144

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

Governo

O faz-de-conta /premium

Alexandre Homem Cristo
421

O governo promete, aloca verba mas lança concursos públicos abaixo do preço de mercado, que ficam vazios. Incompetência? É mais provável o contrário: eis uma forma hábil de controlar a despesa pública

IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

Professores

A Justiça e os Professores

Arnaldo Santos
431

Justiça é dar a cada um aquilo que é seu e cada professor deu o seu trabalho no tempo de congelamento na expetativa de ter a respetiva retribuição relativa à progressão na carreira: o que é seu é seu.

Propinas

Mais jovens no superior sem acabar com as propinas

Abel Pereira Costa

A formação superior de base não é mais a licenciatura, mas sim o mestrado. Financiar o fim das propinas do primeiro ciclo de estudos com mais propinas no segundo ciclo criaria pois mais desigualdades.

Ensino Superior

As propinas: uma história muito mal contada

Jose Bento da Silva
170

A questão não são as propinas. Isso é de fácil resolução. O desafio é: qual o modelo de gestão que queremos para as nossas universidades? O modelo atual não passa de um circo pago pelos contribuintes.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)