Rádio Observador

Inovação

SIBS API Market: um sistema virado para o nosso umbigo

Autor

Este é mais um exemplo da pouca ambição, da mediocridade e da incompetência que se vive em Portugal, onde o governo lava as mãos e não promove a criação de um sistema bancário verdadeiramente aberto.

O que é melhor para a banca? Um sistema colaborativo ou um sistema paternalista?

O setor bancário e financeiro europeu está a evoluir ao sabor da nova diretiva europeia para os pagamentos (PSD2), e há países que estão a fazer um excelente trabalho no acompanhamento desta nova realidade. Todos queremos um sistema aberto, em que bancos e fintechs trabalham em conjunto para melhor servir os clientes e acompanharem­se no desenvolvimento de novos serviços. Acho que já não é preciso vender a ideia de que juntos trabalhamos melhor. Todos sabemos que esse é o caminho.

Mas em Portugal parece que esta não é a linha orientadora. Portugal continua a escolher o modelo paternalista. A PSD2 foi feita precisamente para obrigar os incumbentes (leia­-se, os bancos) a serem mais colaborativos e a viverem num modelo de open banking. E qual não é o nosso espanto quando vemos que mantivemos o sistema paternalista, fechado, em que a SIBS diz com orgulho que o seu API Market tem 18 instituições financeiras (nenhuma fintech) com acesso a 95% das contas portuguesas.

Isto é ambição? Isto é open banking?

Este é mais um exemplo de que em Portugal não é feito um único esforço para integrar fintechs no sistema, quando as fintechs já trabalham com API’s desde o primeiro dia. Empresas como a easypay, a EuPago, a ifthenpay ou a LusoPay e muitas outras já trabalham com API’s há anos. A PSD2 traz mais duas API’s que, para os bancos, são as primeiras e uma novidade mas, para as fintechs, são apenas mais duas.

Não é por isso compreensível que o governo português não tome as rédeas deste assunto e que delegue a criação de uma suposta Open API nos bancos, logo na SIBS, porque aquilo com que ficamos é com um sistema bancário igualmente fechado, doméstico e pouco ambicioso.

No Reino Unido, que nem fará parte da europa num futuro breve, o governo criou uma Sandbox (o mesmo é dizer, um ambiente de teste ou de criação), onde todos, bancos e fintechs, podem estar ligados para viverem verdadeiramente as vantagens da nova diretiva. Isto significa que se a easypay quiser, por exemplo, pode ligar­se a esta API inglesa e ter acesso às informações de todas as instituições financeiras daquele país. Espanha fez o mesmo, mas Portugal excluiu as fintechs e trabalhou apenas com 18 bancos, deixando de fora instituições como o BBVA, Haitong, Deutsche Bank, Finantia, Carregosa, Banco Invest, entre outros, e fintechs já com elevada expressão, como a Revolut ou a N26.

Este é mais um exemplo da pouca ambição, da mediocridade e da incompetência que se vive em Portugal, em que o governo lava as mãos e não promove a criação de um sistema bancário verdadeiramente aberto, e a SIBS cria um API Market que, para sermos honestos, devia chamar­-se Closed API Market.

Sebastião Lancastre é presidente da easypay. Filho do fundador da Unicre e ex-quadro da Unicre, iniciou a sua carreira profissional na área comercial na Xerox Portugal. Em 1992 ingressou na Unicre como Assessor da Direção Geral. Na Unicre até 1999 assumiu, também, a função de Responsável de Marketing do Cartão Unibanco. Em 2000 criou a easypay, que iniciou atividade em 2007. É formado em Engenharia de Sistemas Decisionais, pelo Instituto de Matemáticas Aplicadas. Frequentou um MBA na área de Sistemas de Informação e foi professor convidado no IADE na Pós Graduação em Internet e Marketing.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inovação

Transformação: o segredo da inovação /premium

Sebastião Lancastre

As sociedades caminham no sentido de desmaterializar o dinheiro, tornando-o invisível nas nossas vidas. Na Suécia há centenas de lojas que já dizem, à entrada, que não aceitam dinheiro físico.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)