Rádio Observador

Inovação

Comprar com a voz. “Pague ao Sr. Costa, por favor.”

Autor

O "Voice Commerce" visto pela Amazon. Como é que esta tecnologia evoluirá? Será que iremos poder ir ao café e apenas dizer ao sistema “Pague ao Sr. Costa, por favor.”?

A AmazonPay, empresa de pagamentos do universo Amazon, esteve no Money 20/20, um evento internacional que decorreu entre os dias 2 e 5 de junho em Amesterdão, e que reuniu diversas empresas do setor financeiro. Esteve a falar da sua assistente pessoal digital Alexa, e de algo relativamente novo chamado Voice Commerce.

Segundo esta empresa, o futuro será utilizar sistemas de voz para qualquer tipo de compra. Imaginando que queremos ir ao cinema, basta dizer ao sistema “compre dois bilhetes para o filme X”. Sem mais nada, este informá-lo-á dos horários nos cinemas mais próximos e irá sugerir, de acordo com o seu perfil de compras no passado, um determinado horário no cinema mais perto de si. Bastará depois dizer que sim, e o sistema faz também a transação para o pagamento dos bilhetes. Isto é o Voice Commerce.

A Amazon prevê um crescimento de 4% nas compras por voz até 2023, em mercados como os EUA ou a China. No mercado europeu, mais conservador, embora 28% das pessoas indique que está disposta a fazer compras por voz nos próximos três anos, o crescimento previsto fica abaixo de 1%.

Mas além de percebermos se será algo que os consumidores irão adotar, é importante compreendermos a forma como estes sistemas estarão integrados. O facto de serem capazes de compreender os meus padrões de compras pressupõe que usam tecnologia para trabalhar dados de transações e comportamentos. O facto de escolherem os cinemas mais perto de mim, significa que têm acesso à minha localização. Ou o facto de poderem proceder, com um simples ‘sim’, a uma transação financeira, significa que têm de reconhecer a minha voz como sendo única e que autoriza um movimento deste tipo, tendo acesso à minha conta para libertar os fundos necessários.

A Amazon está confiante de que as pessoas irão aderir ao Voice Commerce, pela rapidez e simplicidade que implica, e usa dados para o comprovar, argumentando que uma pessoa escreve em média 75 palavras por minuto, enquanto é capaz de dizer 150 palavras ao falar. Pela experiência e simplicidade que este sistema oferece ao consumidor, o crescimento do Voice Commerce parece-lhes óbvio.

Por fim, temos a questão da segurança, que é o maior fator a ter em conta, uma vez que 80% dos consumidores trocam de comerciante caso não confiem na segurança que esse mesmo lhes proporciona. Todos compreendemos que a segurança é a principal preocupação do consumidor, significando que, por vezes, é necessário acrescentar mais um passo que dê a ilusão de maior segurança. Ou seja, a utilização de dados biométricos como a impressão digital, a leitura da íris ou da face ou mesmo a voz é suficiente para a transação ser segura. Mas para dar a sensação de segurança, acrescenta-se um novo passo que, embora possa causar fricção no momento de compra, tranquiliza o cliente. Falamos de um PIN ou password, por exemplo.

Mas há dúvidas que nos ficam. Será que a própria Inteligência Artificial será a resposta para melhorar a segurança dos sistemas de voz? Será que o crescimento de 4% em mercados como os EUA ou a China, contrastando com os menos de 1% do mercado europeu é suficiente para alegar que o Voice Commerce será algo do futuro? Como é que esta tecnologia evoluirá? Podemos ir ao café e apenas dizer ao sistema “Pague ao Sr. Costa, por favor.”?

São perguntas que só o tempo ajudará a responder, embora haja um ponto onde não restam dúvidas: os consumidores estão cada vez mais rápidos a adotar novas tecnologias, assim elas provem ser úteis, simples e seguras.

Sebastião Lancastre é presidente da easypay. Filho do fundador da Unicre e ex-quadro da Unicre, iniciou a sua carreira profissional na área comercial na Xerox Portugal. Em 1992 ingressou na Unicre como Assessor da Direção Geral. Na Unicre até 1999 assumiu, também, a função de Responsável de Marketing do Cartão Unibanco. Em 2000 criou a easypay, que iniciou atividade em 2007. É formado em Engenharia de Sistemas Decisionais, pelo Instituto de Matemáticas Aplicadas. Frequentou um MBA na área de Sistemas de Informação e foi professor convidado no IADE na Pós Graduação em Internet e Marketing.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inovação

SIBS API Market: um sistema virado para o umbigo

Sebastião Lancastre

Este é mais um exemplo da pouca ambição, da mediocridade e da incompetência que se vive em Portugal, onde o governo lava as mãos e não promove a criação de um sistema bancário verdadeiramente aberto.

Inovação

Transformação: o segredo da inovação /premium

Sebastião Lancastre

As sociedades caminham no sentido de desmaterializar o dinheiro, tornando-o invisível nas nossas vidas. Na Suécia há centenas de lojas que já dizem, à entrada, que não aceitam dinheiro físico.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)