Identidade de Género

Vénus e a doninha

Autor
304

É frequente o poder político e judicial pensar que é Vénus e que ao mudar o nome consegue também alterar a essência às coisas. E, ao contrário da fábula, são cada vez mais as doninhas que ganham juízo

As fábulas pretendem representar a essência do Homem. Assim, foram usadas durante séculos como fonte de sabedoria e de guia nas relações interpessoais. A ignorância generalizada que delas hoje existe é sintomática dos desafios cognitivos que a nossa sociedade enfrenta. Atribui-se a Esopo a seguinte:

“Uma doninha apaixonou-se por um jovem e garboso varão e pediu à deusa Vénus para a transformar em mulher. Vénus concedeu-lhe graciosamente o pedido e transmutou-a numa belicíssima donzela. Assim que a viu o jovem enamorou-se dela e pouco depois casaram-se. Passado algum tempo, Vénus ficou curiosa em saber se ao mudar a forma à doninha lhe tinha alterado também a essência. Assim, fez com que um rato começasse a correr na sala onde estavam. Assim que o viu, a esposa pulou e deu perseguição ao rato. Ao ver isto Vénus desiludiu-se e devolveu à doninha a sua forma original.”

Hoje é frequente o poder político e judicial pensar que é Vénus e que ao mudar o nome consegue também alterar a essência às coisas. E, ao contrário da fábula, são cada vez mais as doninhas que ganham juízo e se apercebem da futilidade da operação. Um exemplo recente é o de Jamie Shupe, a primeira pessoa (na realidade o primeiro homem) a ser declarada “não-binária” por um tribunal americano. Esta ficção legal, ocorrida em 2016, foi tomada baseada apenas em duas declarações escritas por dois srs. drs., médicos de inquestionável res.puta.são[1], declarando que Shupe não era nem masculino nem feminino. Ao alcançar esta vitória, o “terceiro melhor acontecimento do ano” segundo o res.puta.vel CHS, Shupe rapidamente se tornou um herói para tudo o que é LGBT&tc, sendo mesmo nomeado Oregon Person of the Year de 2016. Em Janeiro de 2019, depois de várias experiências traumáticas às mãos da medicina moderna, Shupe percebeu onde estava o rato e deu o pulo. Agora procura adaptar a sua identidade à sua realidade biológica, em vez de fazer o contrário. O que, apesar de todas as dificuldades associadas, é sanidade. Curioso é que, nos dias de hoje sejam as doninhas a ganhar juízo, enquanto Vénus continua doida.

(O avtor não segve a grafia do nouo Acordo Ørtográfico. Nem a do antigo. Escreue como qver e lhe apetece.)

[1] Res.puta.são (do latim): adulteração da realidade ou prostituição dos factos; aquilo que faz uma pessoa res.puta.vel, como um vendedor de cavalos ou um ministro da res.pública; por analogia, facto ou fama de se prostituir, tal como em “à mulher de César não basta ser honesta, tem de o parecer, senão fica com res.puta.são”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Aborto

Devolver o bebé

José Miguel Pinto dos Santos
549

E em Portugal, será que algum dos nossos bonzos se atreve a subir ao púlpito para explicar aos seus paroquianos a imoralidade do todo o tipo de assassínio?

Maternidade

Amor de Mãe

José Miguel Pinto dos Santos
335

A essência de ser mãe é dar vida. E proteger, nutrir e amar essa vida, mesmo à custa de sacrifício pessoal.

Finanças

Um bitcoin por uma incrível taça de chá /premium

José Miguel Pinto dos Santos
626

Qual é o valor de um bitcoin? Uma barra de ouro, uma casa ou um quadro de Picasso? É exatamente igual àquilo que nós, os homens, na nossa inconstância e vaidade lhe queiramos dar. Nem mais, nem menos.

Educação

Ideologia de Estado

Mário Cunha Reis
1.690

A área de Cidadania e Desenvolvimento dirigida a crianças desde os 6 anos de idade é o “cavalo de Troia” para a introdução da ideologia de género, da sexualidade precoce e da cultura LGBT.

Educação

E se deixássemos de ser hipócritas?

Inês Teotónio Pereira
1.179

Não há nada que se consiga mudar, corrigir ou alterar se os pais não fizerem ideia em que net andam os filhos a navegar ou o que andam a partilhar. É em casa, e não na escola, que o wifi é free.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)