Logo Observador
Canábis

Universidade canadiana oferece curso de marijuana

155

No Canadá, já é possível estudar sobre marijuana na faculdade. O curso é uma resposta à tendência crescente do mercado capitalizar na cultivação e venda legal de marjuana para fins medicinais.

Justin Sullivan

No Canadá, já é possível tirar um curso sobre marijuana na faculdade. A oferta vem da Universidade Politécnica de Kwantlen, na província da Colúmbia Britânica, e pretende ensinar os interessados sobre a gestão profissional e económica das finalidades medicinais da marijuana. É uma resposta à tendência crescente do mercado de rendibilizar o cultivo e a venda de marijuana legal na América do Norte.

Apesar de a substância psicotrópica ser legal no Canadá para fins terapêuticos, os regulamentos variam de região para região, o que levou aquele estabelecimento de ensino a considerar importante a educação sobre as regras que permitem criar um negócio legítimo e sustentável. Segundo a CBS, o curso é completado online ao longo de 14 semanas, com um dos módulos a explicar como é que o estudante se pode tornar um produtor licenciado no negócio.

As aulas serão da responsabilidade de Tegan Adams, um profissional dos laboratórios Experchem, que ajuda produtores a pedir as licenças de produção de cánabis ao departamento de Saúde do Canadá. O professor argumenta que “não há profissionais formados na área porque a maioria das pessoas a investir no negócio vem do mercado negro e está habituada a transações ilegais.” O curso começa no outono de 2015 e custa cerca de 1.750 euros.

O curso que agora estará disponível no Canadá não é pioneiro no mundo. Nos Estados Unidos, a Universidade de Denver também oferece uma disciplina sobre como representar o “Cliente Marijuana”, ou seja, o cliente envolvido em problemas legais devido à venda da substância. Até na universidade de Harvard existe um curso sobre planeamento fiscal para traficantes de marijuana.

Texto de Karla Pequenino, editado por João Cândido da Silva

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt