Logo Observador
Presidenciais 2016

As horas horribiles de Maria de Belém

2.539

O navio afunda perigosamente. O caso das subvenções provocou um rombo e as sondagens fizeram o resto. Comício vazio em Lisboa foi o culminar de 72 horas horribiles. Que dias, Maria. Que dias.

“Não virei nunca a cara aos combates, sobretudo quando eles são difíceis", lembra. Mas deste não parece fácil recuperar

Jorge Amaral/ Global Imagens

Primeiro foi a morte do “príncipe da democracia” e apoiante desde o primeiro minuto, António Almeida Santos. Depois, a polémica a envolver as subvenções vitalícias, que a obrigaram a centrar todas as atenções na defesa do seu carácter e bom nome. A terminar, as sondagens desastrosas que a dão (bem) atrás de António Sampaio da Nóvoa e taco a taco com Marisa Matias. O comício praticamente vazio em Lisboa foi o culminar de três dias horribiles.

IMG_1763

Quando Maria de Belém começou a discursar, a sala estava assim. Praticamente vazia @Miguel Santos/ Observador

Começando pelo fim. As sondagens divulgadas esta quinta-feira dão o barco de Maria de Belém a afundar – e de que maneira. A comandante reconhece que a rota falhou e que o navio encalhou algures. Mas não sabe bem onde. “Não posso dar nenhuma explicação. O que eu posso dizer é que eu tenho uma mensagem e tenho a minha forma de a transmitir; porventura, ela não chegou aos eleitores”, lamentava aos jornalistas.

Pior ainda: apenas o inquérito realizado pela TVI foi feito depois de rebentar a polémica das subvenções vitalícias, um icebergue que apareceu do nada no mar da candidata. Ainda nem sequer é conhecida a dimensão do buraco no casco do navio de Belém e a socialista já esbraceja para se manter à tona.

A ex-ministra da Saúde vai-se defendendo como pode e disparando em todas as direções. “Eu podia dizer, pura e simplesmente, que vou abdicar de tudo, que considero que isto é imoral, ilegal”, mas “não aceito que se transforme esta questão num caso político para cavalgar benefícios eleitorais”.

É o controlo de danos possível. “Não virei nunca a cara aos combates, sobretudo quando eles são difíceis”, assegura. “Contra os ventos e as marés do populismo”, Maria de Belém cerra os dentes e segura o leme como pode – chegou, inclusive, a desafiar a eurodeputada Marisa Matias a comparar as folhas salariais de uma e de outra. Será o reflexo do náufrago?

Encurralada na proa do navio, defronte para a rebentação, Maria de Belém acaba por reconhecer que esta polémica “pode ser muito prejudicial” para a sua candidatura. “Perder votos podemos perder, mas aquilo que eu não quero perder é a minha coerência e a minha forma de estar nas coisas”, garante. O comandante nunca deixa o seu navio, parece dizer a socialista.

E esquiva-se como pode. Sobre o timing da decisão do Tribunal Constitucional ainda solta um “foi oportuno, não foi?”. Mas os danos estão feitos e parecem ser já irrecuperáveis. Que dias, Maria. Que dias.

Oportuno ou não, o subvençõesgate virou a campanha da ex-ministra da Saúde de pernas para o ar. Ali, a meio da campanha, ao sétimo e oitavo dias, parecia haver “uma nova Maria”. Depois de um início cinzento, a socialista reencontrava-se com a rua, acertava no tom às críticas a Sampaio da Nóvoa e gritava aos quatro ventos que, ela sim, era a herdeira socialista nestas eleições. Parecia ser o turning point de Maria de Belém. A bonança depois da tempestade. A sua Marinha Grande, com as devidas distâncias. Foi sol de pouca dura.

O almoço-comício desta quinta-feira na Cervejaria Trindade, em Lisboa, acabou por ficar colado ao caso. O comício na FIL Junqueira, também em Lisboa, idem, idem, aspas, aspas. A tripulação bem esperou e atrasou a partida por uma hora. Uma hora para tentar encher o navio. Mas nem assim.

The show must go on. Perante uma sala praticamente vazia – cerca de 80 pessoas em 300 possíveis -, Maria de Belém fez a defesa da honra e pediu respeito: “Em política não vale tudo”. Os violinistas não pararam de tocar. De Manuel Alegre a Vera Jardim, primeiro à tarde, depois à noite, todos tentaram puxar a campanha para cima. Mas a maré gelada parece ter congelado todos. E os discursos saíram mornos.

Depois de dois dias praticamente sem ações de campanha, por respeito à memória do apoiante e grande amigo António Almeida Santos, a campanha de Maria de Belém não mais encontrou o norte. Um duro golpe para a socialista. Três duros golpes.

Esta sexta-feira, Maria de Belém promete, mesmo assim, “confiança” e “energia”. Vai à Póvoa de Varzim e dá um salto à vizinha Vila do Conde. Terras de marinheiros e pescadores, mestres na arte da navegação. Mas o astrolábio da ex-presidente do PS parece, por esta altura, incapaz de encontrar o caminho para Belém nas estrelas.

Depois de Póvoa e Vila do Conde, a candidata presidencial segue para o Porto e termina a campanha num comício em Coimbra. E por lá vai ancorar para uma última tentativa de ajeitar o navio e levá-lo a bom porto. Levá-lo, neste caso, a uma segunda volta. A uma segunda volta que se parece cada vez mais com uma Atlântida perdida.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: msantos@observador.pt
Livros

Os muros do mundo

José Conde Rodrigues

Se a liberdade de circulação e a mobilidade dos povos pode ser a garantia da sobrevivência e da sustentabilidade de algumas nações, para outras constituiu uma grande ameaça ao seu bem-estar.