Presidenciais 2016

As horas horribiles de Maria de Belém

2.539

O navio afunda perigosamente. O caso das subvenções provocou um rombo e as sondagens fizeram o resto. Comício vazio em Lisboa foi o culminar de 72 horas horribiles. Que dias, Maria. Que dias.

“Não virei nunca a cara aos combates, sobretudo quando eles são difíceis", lembra. Mas deste não parece fácil recuperar

Jorge Amaral/ Global Imagens

Primeiro foi a morte do “príncipe da democracia” e apoiante desde o primeiro minuto, António Almeida Santos. Depois, a polémica a envolver as subvenções vitalícias, que a obrigaram a centrar todas as atenções na defesa do seu carácter e bom nome. A terminar, as sondagens desastrosas que a dão (bem) atrás de António Sampaio da Nóvoa e taco a taco com Marisa Matias. O comício praticamente vazio em Lisboa foi o culminar de três dias horribiles.

IMG_1763

Quando Maria de Belém começou a discursar, a sala estava assim. Praticamente vazia @Miguel Santos/ Observador

Começando pelo fim. As sondagens divulgadas esta quinta-feira dão o barco de Maria de Belém a afundar – e de que maneira. A comandante reconhece que a rota falhou e que o navio encalhou algures. Mas não sabe bem onde. “Não posso dar nenhuma explicação. O que eu posso dizer é que eu tenho uma mensagem e tenho a minha forma de a transmitir; porventura, ela não chegou aos eleitores”, lamentava aos jornalistas.

Pior ainda: apenas o inquérito realizado pela TVI foi feito depois de rebentar a polémica das subvenções vitalícias, um icebergue que apareceu do nada no mar da candidata. Ainda nem sequer é conhecida a dimensão do buraco no casco do navio de Belém e a socialista já esbraceja para se manter à tona.

A ex-ministra da Saúde vai-se defendendo como pode e disparando em todas as direções. “Eu podia dizer, pura e simplesmente, que vou abdicar de tudo, que considero que isto é imoral, ilegal”, mas “não aceito que se transforme esta questão num caso político para cavalgar benefícios eleitorais”.

É o controlo de danos possível. “Não virei nunca a cara aos combates, sobretudo quando eles são difíceis”, assegura. “Contra os ventos e as marés do populismo”, Maria de Belém cerra os dentes e segura o leme como pode – chegou, inclusive, a desafiar a eurodeputada Marisa Matias a comparar as folhas salariais de uma e de outra. Será o reflexo do náufrago?

Encurralada na proa do navio, defronte para a rebentação, Maria de Belém acaba por reconhecer que esta polémica “pode ser muito prejudicial” para a sua candidatura. “Perder votos podemos perder, mas aquilo que eu não quero perder é a minha coerência e a minha forma de estar nas coisas”, garante. O comandante nunca deixa o seu navio, parece dizer a socialista.

E esquiva-se como pode. Sobre o timing da decisão do Tribunal Constitucional ainda solta um “foi oportuno, não foi?”. Mas os danos estão feitos e parecem ser já irrecuperáveis. Que dias, Maria. Que dias.

Oportuno ou não, o subvençõesgate virou a campanha da ex-ministra da Saúde de pernas para o ar. Ali, a meio da campanha, ao sétimo e oitavo dias, parecia haver “uma nova Maria”. Depois de um início cinzento, a socialista reencontrava-se com a rua, acertava no tom às críticas a Sampaio da Nóvoa e gritava aos quatro ventos que, ela sim, era a herdeira socialista nestas eleições. Parecia ser o turning point de Maria de Belém. A bonança depois da tempestade. A sua Marinha Grande, com as devidas distâncias. Foi sol de pouca dura.

O almoço-comício desta quinta-feira na Cervejaria Trindade, em Lisboa, acabou por ficar colado ao caso. O comício na FIL Junqueira, também em Lisboa, idem, idem, aspas, aspas. A tripulação bem esperou e atrasou a partida por uma hora. Uma hora para tentar encher o navio. Mas nem assim.

The show must go on. Perante uma sala praticamente vazia – cerca de 80 pessoas em 300 possíveis -, Maria de Belém fez a defesa da honra e pediu respeito: “Em política não vale tudo”. Os violinistas não pararam de tocar. De Manuel Alegre a Vera Jardim, primeiro à tarde, depois à noite, todos tentaram puxar a campanha para cima. Mas a maré gelada parece ter congelado todos. E os discursos saíram mornos.

Depois de dois dias praticamente sem ações de campanha, por respeito à memória do apoiante e grande amigo António Almeida Santos, a campanha de Maria de Belém não mais encontrou o norte. Um duro golpe para a socialista. Três duros golpes.

Esta sexta-feira, Maria de Belém promete, mesmo assim, “confiança” e “energia”. Vai à Póvoa de Varzim e dá um salto à vizinha Vila do Conde. Terras de marinheiros e pescadores, mestres na arte da navegação. Mas o astrolábio da ex-presidente do PS parece, por esta altura, incapaz de encontrar o caminho para Belém nas estrelas.

Depois de Póvoa e Vila do Conde, a candidata presidencial segue para o Porto e termina a campanha num comício em Coimbra. E por lá vai ancorar para uma última tentativa de ajeitar o navio e levá-lo a bom porto. Levá-lo, neste caso, a uma segunda volta. A uma segunda volta que se parece cada vez mais com uma Atlântida perdida.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: msantos@observador.pt
Autárquicas 2017

As eleições de André Ventura

Rui Ramos

Não há no que André Ventura afirmou qualquer vestígio de “racismo” ou “xenofobia”. Mas este Verão, a nossa oligarquia política precisava de inventar um Trump de palha, desse por onde desse.  

Eleições na Alemanha

Tenham medo, tenham muito medo

Paulo de Almeida Sande

Muitos eleitores do AfD votaram por medo: da invasão dos refugiados; do crescimento das comunidades islâmicas; da diluição da identidade alemã; ou, simplesmente, medo de existir.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site