Logo Observador
Governo

Governo considera que quotas para empresas cotadas na bolsa “não são ingerência”

A secretária de Estado para Cidadania e Igualdade, Catarina Marcelino, acredita que a imposição de quotas de género nas administrações de empresas com acesso à bolsa "não é ingerência".

Nas administrações da EDP Renováveis, da Semapa, da Navigator e do Montepio não existe nenhuma mulher

MÁRIO CRUZ/LUSA

A secretária de Estado para Cidadania e Igualdade, Catarina Marcelino, acredita que a imposição de quotas de género nas administrações de empresas com acesso à bolsa “não é ingerência”.

Não é ingerência. As empresas não são obrigadas a ter o sistema de quotas. O que estamos a dizer é que se quiserem ser cotadas têm de ter como critério o sistema de limiar de paridade. Ou seja, passa a ser mais um critério, entre outros, para aceder a bolsa, o que é diferente de impor”, explicou a governante à Lusa.

Em Nova Iorque, onde participa na 61.ª sessão da Comissão para Estatuto da Mulher (CSW), Catarina Marcelino disse ainda que “uma empresa é livre de dizer que não quer cumprir, mas então não poderá concorrer à bolsa.”

O governo lançou este mês uma proposta, que aguarda aprovação pela Assembleia da República, que obriga os conselhos de administração das empresa cotadas em bolsa a cumprir uma quota de 33% para o género menos representado a partir de 2020. A proposta estende-se também ao setor empresarial do Estado, onde o prazo é mais curto e as quotas terão de ser cumpridas até 2018.

“É uma medida que tem, de facto, eficácia. Olhámos para exemplos internacionais que já têm legislação aprovada. A França passou de uma expressão muito parecida com a nossa, na ronda dos 10% (estamos nos 12%), e neste momento está perto dos 30%. A lei força a que a mudança se faça”, explica.

Atualmente, não existe nenhuma mulher na liderança das cotadas no PSI-20, o índice de referência do mercado de capitais em Portugal. Quando a lei entrar em vigor, das 17 empresas que fazem parte do PSI-20, onze terão de fazer alterações nos conselhos de administração para cumprir as novas regras.

Catarina Marcelino diz ainda que a nova lei, que ainda não tem votação agendada, antecipa uma diretiva europeia bloqueada há anos e que as acusações de ingerência são erradas porque o mercado de capitais é regulado pelo Estado. “O sistema de mercado é um sistema público. Por isso, estou 100% confortável com esta medida. Não estamos a inventar a roda”, justifica.

Atualmente, apenas duas empresas do PSI-20 cumprem a fasquia exigida para 2020: a Corticeira Amorim e a Sonae, SGPS. Nas administrações da EDP Renováveis, da Semapa, da Navigator e do Montepio não existe nenhuma mulher.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Democracia

Fogo cruzado sobre a caça ao voto

António Coutinho

Sem me arrogar quaisquer competências em politologia, julguei pertinente avançar algumas razões em defesa da escolha aleatória da representação democrática que não têm sido devidamente consideradas.

Política

Já não há vida para além do défice

Rui Ramos

O plano é claro: viabilizar o regime português, não através da iniciativa dos cidadãos em Portugal, mas das transferências europeias, confiando na velha complacência de Bruxelas. 

Crónica

Um certo tempo

Miguel Tamen

O que é dizer uma coisa? Se eu contei um segredo a mim próprio não posso ser acusado de bisbilhotice ou de traição: não disse nada.