Antártida

Gelo derretido na Antártida cria rios que percorrem continente

Episódios de degelo na Antártida estão a gerar "rios" que correm durante o período de Verão em todo o continente, um fenómeno que se pensava ocorrer só nas zonas mais quentes a norte.

Os cientistas vão agora tentar perceber que impacto estes rios vêm a ter no gelo antártico

NSIDC/Ted Scambos

Episódios de degelo na Antártida estão a gerar “rios” que correm durante o período de Verão em todo o continente, um fenómeno que se pensava ocorrer só nas zonas mais quentes a norte, segundo estudos publicados na revista Nature.

“Isto não é no futuro, está a acontecer agora e tem estado a acontecer há décadas”, afirmou o principal autor de ambos os documentos, o especialista em glaciares Jonathan Kingslake, comentando a primeira avaliação dos rios de água proveniente do gelo derretido de todo o continente antártico.

Usando imagens recolhidas desde 1946, os investigadores perceberam que existiam quase 700 sistemas de lagos, canais e capilares, alguns dos quais correm por mais de 100 quilómetros e enchem lagos com vários quilómetros de largura. “Creio que a maior parte dos cientistas polares achava que água a correr na Antártida era rara, mas encontrámo-la em áreas muito grandes”, afirmou Kingslake.

Os cientistas vão agora tentar perceber que impacto estes rios vêm a ter no gelo antártico mais afastado do pólo, uma vez que podem acelerar o desprendimento de grandes massas de gelo.

Na Península Antártica, que se situa a norte do manto de gelo principal, e onde as temperaturas subiram 13 graus centígrados nos últimos 50 anos, assistiu-se à queda no mar de grandes partes da placa de gelo no espaço de dias, em 1995 e 2002. Os investigadores colocam a hipótese de a água corrente ter contribuído para esse processo e pensam que pode acontecer o mesmo com muito mais frequência no próximo século.

Rio desapareceu em quatro dias no Canadá devido às alterações climáticas

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Incêndios

Estado de calamidade permanente

Rui Ramos

A demissão da ministra não é a solução de todos os problemas. Mas seria a solução de pelo menos um gigantesco problema: a falta de responsabilidade e de vergonha na governação. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site