Restaurantes

Já se pode almoçar n’O Watt, o novo restaurante de Kiko Martins

O Watt fica na sede da EDP e é o sexto espaço gerido por Kiko Martins em Lisboa. Vai estar aberto nas próximas duas semanas apenas ao almoço, em regime de 'soft opening'.

O Watt é o sexto espaço gerido por Kiko Martins em Lisboa. Fica no piso térreo da sede da EDP.

© Francisco Rivotti

Autor
  • Tiago Pais

Estava prometido há algum tempo e finalmente abriu portas: O Watt, de Kiko Martins, estará aberto nas próximas duas semanas em regime de soft opening, apenas ao almoço. Fica na sede da EDP, na Avenida 24 de julho, e é o sexto espaço gerido pelo chef em Lisboa, a juntar a O Talho, A Cevicheria, O Asiático, Surf & Turf e A Cafetaria, este último também na sede da empresa. Foi o próprio chefe que anunciou a novidade via Facebook:

Sem desvendar muito o que se pode encontrar por lá, Kiko Martins explicou ao Observador que na ementa d’O Watt não entram fritos — “não trabalhamos com manteigas, nem banhas” — e procura-se adoçar de formas alternativas, não recorrendo à sacarose. Kiko elogia também o espaço, que fica no piso térreo do edifício, e que foi desenhado pelo ateliê do designer britânico Jasper Morrison. Em breve faremos uma reportagem mais detalhada sobre o restaurante.

O interior do restaurante foi desenhado pelo ateliê do designer britânico Jasper Morrison. (foto: © Francisco Rivotti)

Nome: O Watt
Morada: EDP, Avenida 24 de Julho, 12 (Santos), Lisboa
Telefone: 211 369 504
Horário: Nas próximas duas semanas estará aberto apenas para almoços. Esta sexta e sábado (7 e 8 julho), no entanto, aceitam reservas para jantar.
Site: https://www.facebook.com/O-Watt

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Identidade de Género

Totalitarismo

Paulo Tunhas

Age-se como se cada um fosse como um camaleão, pronto a se metamorfosear naquilo a que aspira. Podemos descer na escala dos seres até aos animais ou tornarmo-nos divinos, de acordo com a nossa vontade

Banca

O BES e o novo modelo de supervisão

Helena Garrido

Os casos BES e Banif não teriam acontecido se já tivéssemos o novo modelo de supervisão bancária em discussão pública? As arquitecturas de governação não mudam as pessoas nem alteram os incentivos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site