Violência

Urban Beach. Os homens por trás do império do Grupo K

2.416

O grupo que detém o Urban Beach nasceu em 1988, com a abertura do Kremlin, em Lisboa. Os irmãos João e Gonçalo Rocha, fundadores da Juve Leo, continuam no K, hoje liderado por Paulo Dâmaso de Andrade.

Os irmãos Gonçalo e João Rocha fundaram o Grupo K há quase 29 anos. Paulo Dâmaso de Andrade é o atual CEO

Kais, Adega do Kais, Sakana Sushi, Kasa da Praia, Skones, The Kitchen Restaurant, K-Urban Beach. O K que dá nome ao grupo é omnipresente e, por estes dias, em que as bárbaras agressões de dois jovens à porta do último, por seguranças da empresa, são faladas em todo o país, funciona como uma espécie de sinal vermelho, válido para todos os estabelecimentos — a evitar.

Quem o diz é o próprio presidente do conselho de administração do grupo, fundado faz no próximo dia 22 de dezembro 29 anos, Paulo Dâmaso de Andrade: “O grupo está a ser arrastado pela lama. Isto provoca danos irreversíveis na nossa imagem. E pode haver um efeito bola de neve, pode haver uma quebra de receitas que afete os outros estabelecimentos. Na madrugada passada, antes de recebermos uma notificação assinada pelo senhor ministro da Administração Interna e de o Urban ter sido fechado, já tínhamos sentido uma quebra significativa de clientes”.

João e Gonçalo Rocha, os irmãos que em 1988 deram início ao império, com a abertura do Kremlin, nas Escadinhas da Praia, em Santos, não se pronunciaram sobre o assunto, como é habitual. Também não responderam às tentativas de contacto por parte do Observador.

Da boîte caseira ao Kremlin

Quase três décadas depois da abertura da discoteca que trouxe a música eletrónica para as pistas de dança da capital, João, hoje com 54 anos e 4 filhos, e Gonçalo, 47 anos, 3 crianças, continuam a ser acionistas mas já não detêm a maior parte da empresa. “A estrutura acionista do grupo mudou substancialmente. Continuam ligados, mas mais a um nível de consultoria”, explicou Paulo Dâmaso de Andrade. O gestor, contudo, recusa revelar as identidades dos atuais acionistas maioritários do grupo, “por uma questão de confidencialidade”. De acordo com o Portal da Justiça, Maria do Rosário Gomes Castanho é atualmente o único outro membro do conselho de administração da empresa Kapainvest.

Filhos de João Rocha, histórico presidente do Sporting Clube de Portugal, no cargo entre 1973 e 1986, os irmãos Rocha sempre foram empreendedores. Quando eram adolescentes e estudavam no Colégio São João de Brito, queriam sair à noite mas o pai não os deixava. Resolveram a questão montando eles próprios uma boîte no palacete da Lapa onde a família vivia, negócio que não durou muito tempo — por causa das queixas da vizinhança incomodada com a música e os “penetras” que insistiam em aparecer, contou Paulo Dâmaso de Andrade à revista Sábado em 2007. Se a ideia não vingou, pelo menos serviu de tubo de ensaio para o que viria a seguir.

Posted by João Rocha on Monday, August 25, 2014

Em 2014, a propósito do 25º aniversário do Grupo K, João Rocha publicou uma imagem sua e de Gonçalo, fotografados em crianças: “2 irmãos, 1 sonho”

Bem antes de inaugurarem o Kremlin, numa espécie de homenagem à Perestroika introduzida por Mikhail Gorbachev na URSS há apenas dois anos, e de revolucionarem a noite portuguesa, os irmãos já tinham tratado de mudar o futebol nacional. Sportinguistas como o pai, fundaram em março de 1976, com colegas do colégio, a Juventude Leonina, considerada a primeira claque organizada no país. O amor ao clube de Alvalade é, aliás, o que os une a Paulo Dâmaso de Andrade, 52 anos, no Grupo K “há 25 ou 26 anos”. O atual CEO da empresa entrou na altura, saído do curso de Gestão Hoteleira da Universidade Internacional, para assegurar as funções de diretor-geral.

Cinco anos depois de abrirem o Kremlin, onde de acordo com a mesma reportagem da Sábado chegaram a ser vistas celebridades como o estilista francês Jean Paul Gaultier e havia festa todas as noites (Natal incluído), os irmãos Rocha compraram um velho armazém a poucos metros de distância, já na Avenida 24 de Julho, pegaram no K e abriram a Kapital.

O espaço, de três pisos e guardado por porteiros criteriosos, rapidamente se tornou no sítio da moda, onde ia quem queria ver e ser visto. Prince, Shakira, o Rei da Suécia e Mário Soares foram e viram. Céline Dion, Vera Fisher, Joaquín Cortés e Bryan Adams quiseram ir mas não estavam vestidos a rigor e foram barrados, garantiu a Sábado em 2007. Milhares de outros terão conseguido: “Os lucros não paravam de subir, a ponto de os irmãos terem convidado 300 pessoas para um cruzeiro de luxo a Ibiza, no Verão de 1996”.

Pelo meio, João e Gonçalo foram abrindo outros espaços, acumularam as discotecas com os restaurantes, a Taska, também na zona da 24 de Julho, foi o primeiro, e expandiram o negócio para o Algarve e para o Porto. Antes do final dos anos 90, compraram um antigo convento, entre o Kremlin e a Kapital, ampliaram a primeira discoteca e abriram um túnel que ligava as duas.

“Eram noites inesquecíveis. Tínhamos um grupo de gente divertida e saudável. Começávamos a noite por jantar na Taska, que ficava na pequena rua ao lado da Kapital. Depois entravamos por uma porta lateral, que nos dava acesso ao interior da discoteca. Chamavamos-lhes as catacumbas. Por elas também tínhamos acesso ao Kremlin. Mas na Kapital preferíamos sempre o piso do meio, onde o Miguel punha música. Aliás, a nossa música. Passávamos o tempo a chateá-lo com o que queríamos ouvir. Mas giro, giro era quando o Sporting jogava nessa noite e ganhava (sim, nessa altura o meu querido Sporting ainda ganhava…). Estávamos no espaço dos irmãos Rocha, que mais sportinguistas não podiam ser e, por isso, tomávamos a pista com o hino da Maria José Valério e o ‘Só eu sei porque não fico em casa’. Era o delírio!”, recordou em 2013 Marta Guimarães Canário no seu blogue.

Uma História de violência

Kubo, Kasablanca, Konvento, Klube. Com a passagem dos anos, os espaços do grupo K viriam a multiplicar-se, uns fechavam, outros abriam. Os primeiros problemas começaram a surgir após a viragem do século, com o tiroteio que na manhã de 17 de março de 2001 matou o então porteiro do Kremlin Sérgio Reis e feriu outros três funcionários e um cliente.

Faltariam 10 minutos para as 8h00 da manhã quando cinco homens tentaram entrar na discoteca, conhecida na altura pelo ambiente pesado e por ser dos últimos sítios a fechar na cidade. Quando Sérgio Reis, 26 anos, lhes negou a entrada, alegando que o espaço estava prestes a encerrar, os homens voltaram para o carro em que tinham chegado. Em vez de irem embora, quatro deles voltaram e dispararam mais de 20 tiros contra a fachada da discoteca. Dois dos homens foram apanhados e condenados a 25 anos de prisão por homicídio, os outros dois conseguiram escapar.

Dois anos mais tarde, em junho de 2003, foram seis os tiros disparados contra a porta da discoteca das Escadinhas da Praia, mais uma vez por clientes barrados pela segurança do espaço, desta vez por volta das 7h00 de uma manhã de domingo. Dessa vez não houve quaisquer vítimas a lamentar mas em setembro seguinte haveria: uma rixa à porta do Kremlin, em que teria estado envolvido um segurança do espaço, enviou dois clientes para o Hospital de São José. “O Kremlin é uma das discotecas mais inseguras”, escrevia na altura o Correio da Manhã, citando fonte policial.

Em 2009, o Grupo K viveria o momento mais difícil, com a associação ao caso “Máfia da Noite”. O braço-direito de Alfredo Morais, ex-agente da PSP condenado a 10 anos de prisão pelos crimes de extorsão, posse ilegal de arma, e auxílio à imigração ilegal nesse e no processo “Passerele”, era nada menos do que Paulo Batista, chefe de segurança do Grupo K.

Seis porteiros de Kremlin, Kapital e Cenoura do Rio, no Parque das Nações, foram detidos em maio desse ano pela PSP por tráfico de droga no interior das discotecas do Grupo K e por assaltos violentos a clientes. Paulo Batista conseguiu fugir, noticiou à época o Correio da Manhã.

Antes de o Kremlin encerrar definitivamente, no final de outubro de 2011 e em consequência da crise que o país atravessava escreveram os jornais, os irmãos Rocha já tinham sido notícia por esse mesmo motivo: dinheiro. De acordo com o Correio da Manhã, em maio de 2007, a dívida de IVA do Grupo K ascendia aos 503 mil euros — valor relativao aos anos de 2002 e 2003. Só havia duas opções: ou pagavam ou o recheio da Kapital e dos restaurantes Kais e Rodízio Grill era penhorado — sistemas de som, bolas de espelhos, lasers e máquinas raladoras de legumes incluídos, especificou à data a Sábado.

Terão pago — o Kais ainda existe e mantém-se no grupo; a Kapital foi encerrada em 2012 para dar origem ao Main mas, garante ao Observador Paulo Dâmaso Andrade, o armazém de três pisos que o alberga continua a pertencer à empresa. “O edifício da Kapital é nosso, o do Kremlin e o do Konvento também, só cedemos a exploração direta dos espaços. Foi uma decisão estratégica, para intervirmos nos espaços que temos junto ao rio”.

Para além de seis espaços com vista para o Tejo o grupo tem hoje dois estabelecimentos no Porto — as discotecas da empresa no Algarve, Kasablanca e Klube, que só funcionavam durante o verão, acabaram por fechar. Antes disso, em 2006, Paulo Dâmaso de Andrade chegou a ser detido, por ter desobedecido à ordem de encerramento dada pela ASAE (Autoridade da Segurança Alimentar e Económica) a ambos os espaços.

Os relatos de violência contados por quem foi ao Urban Beach

Atualmente o mais velho dos irmãos Rocha raramente é visto na noite — mas continua a ser presença habitual no universo sportinguista, já não no topo sul do Estádio José Alvalade, mas junto às elites do clube. Em 2011 chegou mesmo a ser dada como certa a sua candidatura à presidência, mas acabou por deixar Godinho Lopes e Bruno de Carvalho sozinhos na contenda.

Já Gonçalo continua a gostar de sair e não raras vezes salta para a cabine do DJ do K-Urban Beach. “Janta muitas vezes no sushi, que é mesmo ao lado, acaba de jantar e está no Urban. Geralmente está com a mulher e com amigos, nos reservados, mas nunca o vi ficar até ao fecho. De vez em quando põe música — e a mulher também”, conta ao Observador um frequentador do espaço.

Paulo Dâmaso de Andrade chegou a ser proprietário do Colares Velho, um restaurante sem K, na zona de Sintra. Hoje dedica-se exclusivamente aos negócios do grupo, prestes a comemorar 29 anos de existência.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: tpereirinha@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site